Concessão de crédito cresce em setembro, mas deve moderar após alta da Selic

Bancos emprestaram mais no mês passado, depois de três meses seguidos de queda

REUTERS

30 de outubro de 2014 | 11h49

As concessões de crédito no Brasil voltaram a crescer em setembro, interrompendo três meses seguidos de queda, após recentes medidas de estímulo adotadas pelo governo, num cenário marcado por crescimento fraco e inflação elevada.

O cenário futuro, no entanto, é de moderação por conta do início de um novo ciclo de aperto monetário na noite passada, quando o Banco Central surpreendeu e elevou a Selic em 0,25 ponto percentual, a 11,25% ao ano. A Selic mais alta encarece os empréstimos que, por sua vez, afeta o consumo.

No mês passado, as concessões no segmento de recursos livres tiveram alta mensal de 7,4%, maior expansão desde dezembro passado e após mostrarem contração nos três meses anteriores, informou o BC nesta quinta-feira. Levando-se em consideração os recursos totais, incluindo os direcionados, a alta foi de 7,5%.

O BC informou ainda que o estoque total de crédito no Brasil subiu 1,3% em setembro sobre o mês anterior, chegando a R$ 2,901 trilhões, ou 57,2% do Produto Interno Bruto (PIB), maior ritmo em relação à alta de 0,92% vista em agosto.

Com o objetivo de estimular o mercado de crédito no país, o Ministério da Fazenda e o BC divulgaram medidas em julho e agosto, cujo potencial é de injeção de até R$ 70 bilhões na economia.

Para o chefe do departamento Econômico do BC, Tulio Maciel, altas na Selic têm impacto mais forte no crédito do que as medidas adotadas recentemente. "Uma elevação (da Selic)... tende a ter impacto de moderação na expansão do crédito", acrescentou ele.

Três dias depois de a presidente Dilma Rousseff ser reeleita, o BC surpreendeu e decidiu elevar a Selic na noite passada, alegando que aumentaram os riscos para a inflação.

A alta foi bem recebida por agentes econômicos, que viram no movimento sinal de mudança na política econômica no segundo mandato da petista.

"O crédito deve seguir crescendo em ritmo moderado em linha com nossa projeção para o ano de 12%", acrescentou Maciel.

Inadimplência. Segundo o BC, a inadimplência no mercado de crédito brasileiro no segmento de recursos livres ficou em 5% em setembro, igual aos dois meses anteriores. Considerando o crédito total, a inadimplência ficou em 3%, ante 3,1% em agosto.

No período, o spread bancário - diferença entre o custo de captação e a taxa efetivamente cobrada ao tomador final - foi de 20,9 pontos percentuais também no segmento de recursos livres, abaixo dos 21,2 pontos percentuais vistos em agosto. No crédito total, o spread ficou estável em 12,7%.

Já a taxa média de juros no segmento de recursos livres fechou o mês passado em 31,9%, inferior aos 32,2% em agosto. No crédito total, ficaram em 21%, 0,1 ponto percentual a mais do que em agosto.

Tudo o que sabemos sobre:
BACENJUROSSETEMBRO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.