Concessionária se aproxima da população para mudar cenário do saneamento em Manaus

Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Conteúdo Patrocinado

Concessionária se aproxima da população para mudar cenário do saneamento em Manaus

Nos últimos dois anos, a cidade recebeu projetos socioeconômicos que visam melhorar a comunicação, o acesso a água e esgoto e a qualidade de vida dos moradores.

Aegea Saneamento, Media Lab Estadão
Conteúdo de responsabilidade do anunciante

25 de agosto de 2020 | 10h35

Olhar e entender de perto a dinâmica da cidade e aproximar-se da população, criando um relacionamento que vai além da prestação do serviço. É assim que está sendo fundamentado um trabalho contínuo e de longo prazo para transformar a realidade do saneamento básico em Manaus, cidade com a maior bacia hidrográfica do mundo.

A capital do Amazonas é considerada um desafio, especialmente na coleta e tratamento de esgoto. Além de suas características geográficas e de crescimento desordenado – muitas comunidades espalhadas, becos e palafitas (moradias em regiões alagadas) -, já passaram por Manaus três empresas desde que o saneamento foi concedido à iniciativa privada, há duas décadas, o que gerou um desgaste com os habitantes do município.

Novas perspectivas chegaram em meados de 2018, quando a concessão plena dos serviços de abastecimento de água e coleta e tratamento de esgoto foi conquistada pela Aegea, maior empresa privada do setor, que opera em outras 56 cidades e que oferece diferente soluções de saneamento para os diferentes desafios. Por meio de sua concessionária Águas de Manaus, a Aegea vem implementando seu modelo de negócio, focando não apenas na eficiência operacional como também no componente socioambiental. “Encontramos uma população carente de uma empresa próxima a eles, que ouvisse suas necessidades e resolvesse os problemas”, conta Renato Medicis, diretor-presidente da Águas de Manaus.

A estratégia adotada foi a de realizar investimentos robustos em infraestrutura combinada com a adoção de melhorias operacionais e uma maior aproximação com a população. Este conjunto de medidas permitiu à Águas de Manaus desenvolver um trabalho bairro a bairro, fazer ajustes necessários no sistema de abastecimento de água, regularizar ligações e levar o serviço a lugares antes esquecidos. “Com a entrada da Aegea, ampliamos e modernizamos o sistema existente para o tratamento de água e buscamos uma maior proximidade com a população. O que fizemos foi mudar completamente a maneira de uma concessionária se relacionar com a cidade”, diz Médicis. 

Esse relacionamento tem acontecido, principalmente, por meio de projetos sociais. O Programa Afluentes, por exemplo, é considerado um dos mais importantes pela companhia. “Interagimos no dia a dia com mais de 600 líderes comunitários, que trazem demandas de todas as regiões. Assim, somos capazes de identificar e solucionar problemas como vazamentos e falha de abastecimento de maneira muito mais rápida”, conta o diretor-presidente, acrescentando que a companhia também promove iniciativas que vão além da sua atuação e visam impactar positivamente a vida dos moradores, como cursos de formação de encanadores e programas de empreendedorismo, educação e arte.

O Vem com a Gente é outra iniciativa que reflete a estratégia de estar mais próximo dos usuários. O programa promove um contato mais direto com a população para resolver questões relacionadas à prestação do serviço. Em tempos de isolamento social e medidas de restrição por conta da Covid-19, este tipo de atendimento se tornou ainda mais essencial. “A pessoa tem a opção de não ir à loja de atendimento da Águas de Manaus, nossa equipe realiza atendimentos nas casas das pessoas. Se um usuário tem um débito, vamos até ele e negociamos, não interrompemos simplesmente o fornecimento de água”. O programa já beneficiou mais de 800 mil pessoas na cidade com serviços de melhoria de abastecimento, como substituição de hidrômetros, regularização de ligações, novas redes de água, negociação de débitos e correção de vazamentos. Até o momento, 29 bairros da cidade foram visitados pelo programa e cerca de 50 mil metros de novas redes de água tratada foram implantados em áreas que não possuíam abastecimento regular.

A chegada da pandemia de coronavírus não interrompeu o serviço, considerado essencial. O atendimento itinerante, porta a porta, seguiu com a adoção de protocolos preventivos, mantendo a segurança dos colaboradores e da população atendida. Nas visitas, é distribuído álcool-gel, produzido pela própria companhia por iniciativa de seus colaboradores, usando os laboratórios e os produtos químicos disponíveis para tratamento de água.

“Nossas ações de combate à Covid-19 foram uma continuidade do que vínhamos fazendo. Além disso, levamos itens básicos de higiene para as comunidades mais vulneráveis da cidade, em parceria com a Unicef, e instalamos pias comunitárias para uso da população de rua. O mais emblemático, porém, foi continuar estendendo as redes de abastecimento, que faz toda a diferença na saúde e qualidade de vida das pessoas”, conclui Medicis.  

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.