Sérgio Castro/Estadão
Sérgio Castro/Estadão

Concessionárias de rodovias paulistas vão perder até R$ 60 mi ao mês, estima Artesp

Agência de Transporte do Estado de São Paulo (Artesp) avalia que a isenção de pedágio sobre eixo suspenso dos caminhões vai custar de R$ 50 milhões a R$ 60 milhões por mês para concessionárias

Lu Aiko Otta, O Estado de S.Paulo

30 Maio 2018 | 18h30

BRASÍLIA- O prejuízo das concessionárias de rodovias paulistas com a isenção de pedágio sobre eixo suspenso dos caminhões, uma das principais reivindicações do movimento grevista, é de R$ 50 milhões a R$ 60 milhões por mês, informou há pouco a Agência de Transporte do Estado de São Paulo (Artesp), responsável pela gestão de uma malha concedida de 8.300 km no Estado. Os cálculos se baseiam no volume de tráfego efetivo observado em 2017.

+ Isenção de tarifa sobre eixo suspenso dos caminhões já entrou em vigor em três Estados

A agência confirmou que a isenção começa a valer nas estradas paulistas nesta quinta-feira, 31 de maio. “Este prazo foi adotado para que a Secretaria de Logística e Transportes tomasse as medidas jurídicas e administrativas necessárias para a implantação da isenção, enquanto as concessionárias, a pedido desta Agência, preparassem seus sistemas e equipes operacionais para adoção do novo modelo de cobrança”, informou.

+ AO VIVO: Acompanhe a greve dos caminhoneiros

+ PF instaurou 52 inquéritos para apurar práticas de locaute

A Artesp pretende entrar em contato com as concessionárias a partir da próxima semana para definir a melhor forma de compensar a perda de receitas com a medida.

+ Empresários pedem e 300 militares já dirigem caminhões privados

Para entender. Os contratos de concessão em vigor no País até 2015 previam que os caminhões deveriam pagar pedágio sobre os eixos, estando o veículo carregado ou não. Naquele ano, uma greve de caminhoneiros resultou na aprovação de uma lei que liberou da cobrança de pedágio os eixos suspensos de caminhões vazios.

+ Liberação de caminhões deve desencadear reclamações junto a seguradoras

Mas a medida valia apenas para as rodovias federais concedidas. Ela não se estendeu às rodovias estaduais concedidas, que seguiram cobrando a tarifa. Uma das principais reivindicações do atual movimento grevista era a ampliação da isenção para todas as praças de pedágio, o que foi atendido com a edição de uma Medida Provisória (MP) pelo governo federal. Há, porém, dúvida sobre como a perda das concessionárias será compensada. São Paulo quer cobrar a conta da União. Mas a solução mais usual para situações como essas é o aumento das tarifas de pedágio.

Mais conteúdo sobre:
greve Caminhão combustível

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.