Concessões podem ficar sem crédito

Na segunda-feira, a Engevix, concessionária do trecho da BR-153 entre Goiás e Tocantins, deveria iniciar a oferta de ambulâncias e guinchos, serviços que marcariam o início da administração da via pela empresa. Nada disso ocorreu. De acordo com a área técnica, a origem do problema está na falta de crédito do BNDES.

ANDRÉ BORGES, LU AIKO OTTA, O Estado de S.Paulo

26 Fevereiro 2015 | 02h05

As concessionárias de rodovias federais tinham acesso a um "empréstimo-ponte", de liberação rápida, para oferecer esses serviços e iniciar as obras de duplicação. Mas a Engevix, que venceu o último dos leilões do governo, foi pega no contrapé.

As investigações da Operação Lava Jato levaram o banco a segurar os empréstimos. Por enquanto, o caso da BR-153 é o único a apresentar problemas de execução, garantem técnicos do governo. Mas eles admitem que o impasse pode atrapalhar as demais concessões.

As empresas que arremataram rodovias em 2013 e 2014 e conseguiram o empréstimo-ponte deveriam, neste ano, obter o financiamento principal do BNDES para concluir as obras no prazo de cinco anos.

Mas o banco vive um dilema: se por um lado as obras devem prosseguir para não prejudicar os investimentos, por outro existem normas que precisam ser levadas em conta nos empréstimos. E grande parte das concessionárias está na mira da Lava Jato.

O governo analisa a situação, mas ainda não chegou a uma resposta. Consultada, a Engevix declarou que "tem dificuldades em tocar seus projetos, porém não paralisou nenhum até agora". Sobre a falta de pagamentos, a empresa informou apenas que "a situação é delicada", sem dar detalhes.

Mais conteúdo sobre:
Engevix crédito concessões

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.