Amanda Perobelli/Reuters
Amanda Perobelli/Reuters

Concurso do Banco do Brasil atrai 1,6 milhão de candidatos para 2,2 mil vagas

Salário mensal é de R$ 3 mil por 30 horas de trabalho semanais, além de benefícios; processo seletivo ainda terá 2,2 mil vagas para ‘reservas’; concorrência é quase cinco vezes maior do que a do vestibular de Medicina da Fuvest

Marcelo Mota, O Estado de S.Paulo

11 de agosto de 2021 | 17h10

Em plena era das fintechs, com os mais jovens acalentando o sonho de atuar na construção da chamada nova economia, a chance de trabalhar no Banco do Brasil (BB) ainda mexe com os brasileiros. Em 26 de setembro, 1,646 milhão de pessoas disputarão 2.240 vagas de escriturário na instituição bicentenária, no maior processo seletivo na história do País, segundo a Fundação Cesgranrio, que organiza o concurso. As inscrições foram encerradas no dia 7 de agosto. 

O número de candidatos equivale a mais de 10% do efetivo em busca de trabalho no Brasil. Conforme o IBGE, ao fim do primeiro trimestre deste ano, 14,7 milhões de pessoas tentavam encontrar uma ocupação, o maior contingente da série histórica do instituto.

Ao todo, são 734,8 candidatos para cada vaga oferecida pelo banco. A concorrência é quase cinco vezes maior do que a do curso de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), o mais concorrido no vestibular da Fuvest, que teve 154,6 candidatos por vaga em sua edição mais recente. 

Além de sair da fila, os candidatos às vagas oferecidas no BB disputam um salário mensal pouco acima de R$ 3 mil, por 30 horas semanais de dedicação. Outros 2.240 pessoas preencherão a reserva, aguardando uma chance de serem convocadas para preencher os quadros do banco no futuro.

Dentre os inscritos, a grande maioria se candidatou para atuar como agente comercial. Pouco mais de 40 mil, para atuar na área de tecnologia. Dos postos oferecidos, 2 mil são para agente comercial e 240 para agente de tecnologia, com a mesma proporção para a reserva. Mas 20% das vagas serão reservadas a cotas para "pessoas pretas ou pardas" e outros 5%, para portadores de deficiência, atendendo à legislação.

Números surpreendentes

O que está em jogo, entretanto, é bem mais do que o salário oferecido. "Acreditamos que os candidatos foram atraídos pelas oportunidades de ascensão e encarreiramento que o BB oferece, além do conjunto de benefícios", disse por meio de nota enviada pelo banco o vice-presidente corporativo do BB, Ênio Mathias. Segundo ele, o número de inscritos surpreendeu a instituição.

Somente os auxílios de refeição e alimentação do BB adicionam quase 50% à remuneração inicial. No pacote constam ainda participação nos lucros ou resultados, conforme a legislação e o acordo sindical, vale-transporte, auxílio-creche, auxílio a filho com deficiência, previdência complementar e assistência à saúde.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.