coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Condenação acirra briga entre produtor e indústria

Produtoras de suco foram condenadas a uma indenização milionária por danos aos trabalhadores

FRANCA, O Estado de S.Paulo

15 de abril de 2013 | 02h13

Uma decisão da Vara do Trabalho de Matão (SP), proferida no mês passado, acirrou a animosidade entre os produtores e as grandes indústrias de suco do país. Isso porque as quatro maiores delas foram condenadas a uma indenização milionária por danos aos trabalhadores. Terão ainda de interromper a terceirização de toda a cadeia de produção da fruta, desde o cultivo até a colheita. A Justiça acatou reclamação dos citricultores junto ao Ministério Público.

Para Marcos Mazeti, presidente do Sindicato Rural de Fernandópolis (SP), a decisão foi justa. Ele conta que o pequeno produtor é o maior prejudicado pelas grandes companhias, uma vez que geralmente tem somente a própria família para ajudar na colheita. "Mas chega a época de safra e a indústria exige que a laranja seja entregue lá no seu portão e que a colheita seja rápida. Aí o todo o custo cai em cima do citricultor", afirma. Segundo ele, sua região já chegou a ter cerca de 3 milhões de pés de laranja, mas de 20% a 30% desse número já deu lugar a outra cultura.

A questão é polêmica e as indústrias tiveram na semana passada o apoio da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA). A entidade divulgou uma nota protestando contra a condenação. A presidente da CNA, senadora Kátia Abreu (PSD-TO), considerou a decisão da Justiça "absurda". Ela citou a importância da indústria de suco para o país e o investimento realizado pelas grandes companhias.

Recurso. As companhias condenadas (Sucocítrico Cutrale, Louis Dreyfus Commodities Agroindustrial, Citrovita e Citrosuco - estas duas últimas em fase de fusão) já recorreram da decisão. Oficialmente nenhuma comenta a sentença, mas pessoas ligadas a elas disseram acreditar que a punição será revista nas instâncias superiores. A alegação é que as indústrias já contratam legalmente via CLT os funcionários que usam em suas lavouras próprias e que não podem responder pelos trabalhadores das propriedades de terceiros. / R.M., ESPECIAL PARA O ESTADO

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.