Condições melhores reduzem dívida externa do Brasil em agosto

A dívida externa brasileira estava em US$ 191,309 bilhões em junho, segundo informou hoje o Departamento Econômico (Depec) do Banco Central. Em maio, a dívida externa estava em US$ 198,287 bilhões. O chefe do Depec, Altamir Lopes, disse que a queda na dívida é reflexo das baixas taxas de rolagem dos empréstimos externos. "As taxas de rolagem têm ficado abaixo de 100%", afirmou. Ainda de acordo com os dados do BC, a dívida externa de médio e longo prazos caiu em junho, ante maio, de US$ 177,266 bilhões para US$ 174,554 bilhões. A dívida de curto prazo foi reduzida, ao mesmo tempo, de US$ 21,020 bilhões para US$ 16,755 bilhões. Indicadores mostram situação positiva Altamir Lopes destacou ainda que a relação do serviço da dívida externa/exportações estava em 44,4% em junho. Este porcentual, segundo Lopes, é o menor desde os 38,2% de dezembro de 1994, o que indica uma melhora nas condições do País. Outro dado destacado por ele foi a relação juros da dívida externa sobre exportações, que estava em 13,3% em junho. Este porcentual, segundo Lopes, é o menor desde os 12,3% de dezembro de 1972. Esses indicadores significam que as condições da dívida externa do Brasil estão hoje em uma situação muito positiva.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.