AFP PHOTO / DOUGLAS MAGNO
AFP PHOTO / DOUGLAS MAGNO

Confederação Nacional dos Lojistas estima perda de R$ 27 bi durante greve

CNDL estima que paralisação dos caminhoneiros faça crescimento do PIB recuar para 2%; queda também foi sentida no e-commerce

Guilherme Sette, especial para o Broadcast, O Estado de S.Paulo

30 Maio 2018 | 18h41

A Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) divulgou nesta quarta-feira, 30, em nota enviada à imprensa, que deixou de faturar aproximadamente R$ 27 bilhões na semana do dia 21 a 28 de maio, período afetado pela greve dos caminhoneiros. A CNDL ainda estima que a projeção para o PIB esperado de 2018 pode diminuir para crescimento em torno de 2%, por causa da greve.

+ Nove aeroportos administrados pela Infraero ainda sofrem com falta de combustíveis

A instituição citou que o varejo gera 63% do PIB, com faturamento de R$ 715 bilhões por ano, e criticou o movimento, pedindo o fim da greve: "Precisamos voltar a trabalhar. Mas como tirar o sustento de prateleiras vazias, sem receber mercadorias, e com os consumidores sem condições de se deslocarem aos estabelecimentos por falta de combustível?".

+ Concessionárias de rodovias paulistas vão perder até R$ 60 mi ao mês, estima Artesp

Na nota, a CNDL menciona que o esforço para reversão do quadro atual deve vir de todos: governo federal, Poder Legislativo, Estados, municípios e cadeia produtiva. A confederação representa 450 mil empresas.

+ Isenção de tarifa sobre eixo suspenso dos caminhões já entrou em vigor em três Estados

Online. O tráfego de clientes no e-commerce caiu na semana passada como consequência da paralisação de caminhoneiros no País, afirmou o COO do Mercado Livre, Stelleo Tolda. A jornalistas em São Paulo, ele considerou que consumidores deixaram de visitar os sites de comércio eletrônico em meio à crise, mas considerou que há uma expectativa de normalização nos próximos dias.

AO VIVO: Acompanhe a greve dos caminhoneiros minuto a minuto

Para o executivo, com a possibilidade de a vida nas cidades voltar ao normal nos próximos quatro dias de feriado prolongado, consumidores poderão voltar a sentir conforto para comprar online. Ele considera que o movimento de vendas do inicio da próxima semana será fundamental, porque é quando o e-commerce vai concentrar vendas relacionadas ao Dia dos Namorados./COLABOROU DAYANE SOUSA

Mais conteúdo sobre:
varejo combustível greve Caminhão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.