Nilton Fukuda/Agência Estado - 23/07/2012
Nilton Fukuda/Agência Estado - 23/07/2012

Confiança do consumidor sobe ao maior nível desde agosto de 2021, diz FGV

Enfraquecimento do surto de Ômicron e medidas contra a inflação ajudam a explicar a alta de 3,8 pontos em abril ante março

Daniela Amorim, O Estado de S.Paulo

25 de abril de 2022 | 09h46

RIO - A confiança do consumidor subiu 3,8 pontos em abril ante março, na série com ajuste sazonal, informou nesta segunda-feira, 25, a Fundação Getúlio Vargas (FGV). O Índice de Confiança do Consumidor (ICC) ficou em 78,6 pontos, maior nível desde agosto de 2021, quando era de 81,8 pontos. Em médias móveis trimestrais, o índice aumentou 1,5 ponto.

“Os resultados positivos deste mês parecem estar relacionados ao fim do surto da variante Ômicron e ao anúncio de um pacote de medidas para aliviar a pressão da inflação e dos juros sobre as finanças familiares mediante a liberação de saques do FGTS, antecipação de 13º de aposentados e facilitação de acesso ao crédito. Houve diminuição do pessimismo com relação ao mercado de trabalho mas a da inflação e os juros elevados ainda preocupem as famílias, que continuam cautelosas com relação à realização de compras de alto valor”, avaliou Viviane Seda Bittencourt, coordenadora das Sondagens do Instituto Brasileiro de Economia da FGV (Ibre/FGV), em nota oficial.

Em abril, o Índice de Situação Atual (ISA) aumentou 3,8 pontos, para 69,1 pontos. O Índice de Expectativas (IE) cresceu 3,6 pontos, para 86,1 pontos.

A avaliação dos consumidores com relação à situação financeira das famílias subiu 5,5 pontos, para 62,4 pontos. Houve melhora também da percepção sobre o estado geral da economia, que cresceu 2,0 pontos, para 76,4 pontos.

O item que mede a perspectiva sobre a situação econômica geral nos próximos meses avançou 8,3 pontos, para 101,6 pontos. As expectativas para as finanças familiares tiveram alta de 1,2 ponto, para 90,9 pontos.

"Apesar do resultado positivo das perspectivas sobre economia e finanças familiares, a intenção de compras de bens duráveis segue fraca e com tendência indefinida. O indicador relacionado a este tema acomodou na margem ao variar 0,9 ponto, para 67,7 pontos", ressaltou a FGV.

A análise por faixa de renda mostrou piora da confiança apenas no grupo com renda familiar mensal entre R$ 2.100,01 e 4.800,00, com queda de 0,9 ponto, para 68,8 pontos.

A alta mais forte na confiança ocorreu entre consumidores mais pobres, com renda familiar de até R$ 2.100,00 mensais: alta de 7,2 pontos, para 76,2 pontos, maior valor desde março de 2020.

A Sondagem do Consumidor coletou entrevistas entre os dias 1 e 19 de abril.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.