Hélvio Romero/Estadão
Hélvio Romero/Estadão

Confiança de lojistas avança em setembro

Pesquisa da CNC mostra que expectativas apresentam recuperação mais acelerada desde o início do ano, mas queda da renda e crédito caro ainda são entraves

Daniela Amorim, O Estado de S.Paulo

21 Setembro 2016 | 23h05

RIO - Os comerciantes ficaram mais otimistas na passagem de agosto para setembro. O Índice de Confiança do Empresário do Comércio (Icec) avançou 1,5%, para 93,5 pontos, informou a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). Na comparação com setembro do ano passado, a alta na confiança foi de 14,8%.

Todos os componentes que integram o Icec apresentaram melhora nas duas comparações. O resultado, porém, ainda permanece abaixo da zona de indiferença, de 100 pontos, ponderou a CNC.

“Desde janeiro as expectativas vêm mostrando recuperação mais acelerada. As condições correntes começaram a apresentar crescimento mais significativo nos últimos dois meses. Mas para que isso se traduza de fato numa recuperação do setor, o empresário tem que sentir que a situação está melhorando”, avaliou a economista Izis Ferreira, da CNC.

Segundo Izis, as condições desfavoráveis no mercado de trabalho, com queda na renda e aumento do desemprego, e o crédito ainda muito caro são entraves à recuperação das vendas. “Isso dificulta a retomada do consumo e, consequentemente, do varejo”, apontou a economista.

Atualidade. A percepção do empresário sobre as condições atuais alcançou 53,2 pontos em setembro, uma elevação de 25,4% em relação ao mesmo mês de 2015 e aumento de 6,3% ante agosto. O destaque foi o salto de 70,2% na avaliação sobre a situação atual da economia, na comparação com setembro de 2015. No entanto, o subindicador permanece em patamar extremamente baixo, observou a economista.

Já o componente que mede as intenções de investimento registrou 83,4 pontos, um aumento de 0,5% ante agosto e avanço de 3,9% ante setembro do ano passado.

O único componente do Icec que está acima da zona de indiferença é o que mede as expectativas, que chegou a 144 pontos em setembro, com alta de 1% ante agosto e um salto de 18,3% em relação a setembro de 2015.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.