ALEX SILVA/ESTADÃO
ALEX SILVA/ESTADÃO

Confiança do comércio cai 4,1% em setembro e bate recorde de baixa

Indicador da CNC atingiu 81,5 pontos no mês passado, o menor patamar desde 2011; mais de 60% dos empresários pretendem contratar menos neste fim de ano

Idiana Tomazelli, O Estado de S. Paulo

08 de outubro de 2015 | 12h04

RIO - A confiança do comércio voltou a atingir a mínima histórica em setembro. O indicador recuou 4,1% em relação a agosto, na série com ajuste sazonal, para 81,5 pontos, o menor valor da série iniciada em março de 2011 pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). Na comparação com setembro de 2014, sem ajuste, o recuo foi de 26,6%.

"O mês de setembro, que abre normalmente a temporada de ofertas de vagas para trabalhadores temporários no final de ano, mostrou-se pouco favorável para contratações. As perspectivas continuarão baixas nessa área", destacou a instituição. A pesquisa aponta que 61,1% dos empresários pretendem reduzir a contração de funcionários nos próximos meses.

Com mais esse resultado negativo frente a agosto, o Índice de Confiança do Empresário do Comércio (Icec) registrou a 11ª queda seguida neste confronto. Oito dos nove componentes da pesquisa estão em seu menor nível de toda a série. "O resultado de setembro confirma 2015 como o pior ano do varejo desde 2003", diz a CNC.

A instituição revisou suas projeções para o setor neste ano. Segundo a CNC, a queda nas vendas deve chegar a 2,9% no conceito restrito. Já no segmento ampliado, que inclui veículos e material de construção, o recuo deve ser de 6,7%, o pior da série, iniciada em 2004 pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O resultado do Icec em setembro foi puxado principalmente pela queda de 8,3% na percepção dos empresários sobre as condições atuais. O maior grau de insatisfação entre os empresários é com o estado corrente da economia brasileira. Segundo a CNC, 93,9% dos entrevistados acham que economia está pior que no ano passado - maior porcentual de insatisfação já registrado em mais de 55 meses de pesquisa.

A perspectiva em relação ao futuro tampouco é positiva. As expectativas recuaram 2,4% em setembro ante agosto, embora se mantenham em 121,7 pontos, acima da zona negativa, cujo limite é definido pelos 100 pontos. A CNC aponta que 46,9% dos entrevistados afirmam que a economia vai piorar nos próximos meses. 

Mais conteúdo sobre:
CNCcomérciovendas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.