Fabio Motta|Estadão
Fabio Motta|Estadão

Confiança do comércio piora e previsão de investimento tem queda, diz CNC

Levantamento mostra que as perspectivas de melhora da atividade econômica caíram pelo terceiro mês seguido

Denise Luna, O Estado de S.Paulo

29 de maio de 2019 | 14h26

RIO - A confiança do comércio brasileiro piorou em maio em relação a abril e as perspectivas de investimento caíram, o que levou a Confederação Nacional do Comércio (CNC) a reduzir de 5,4% para 4,9% a previsão de vendas este ano, ante alta de 6% prevista em janeiro.

Segundo levantamento da entidade divulgada nesta quarta-feira, 29, o Índice de Confiança do Empresário do Comércio (Icec) alcançou 122,4 pontos porcentuais, uma queda de 0,8% em relação a abril, porém 7,6% acima de igual período do ano anterior.

"Acreditamos que, com as reformas essenciais, como a da Previdência, poderemos mudar esse quadro e diminuir a cautela dos empresários", afirmou em nota o presidente da CNC, José Roberto Tadros.

De acordo com o levantamento da CNC, o subíndice que mede as condições atuais do empresário do comércio caiu 0,5% na comparação com abril, chegando aos 100,6 pontos, mas subiu 13,2% em relação a maio de 2018.

O subíndice que mede as expectativas para os próximos meses caiu 1,2%, para 163,6 pontos, mas subiu 0,1% na comparação com um ano atrás. Já os investimentos tiveram queda de 0,3% contra abril deste ano e alta de 6,1% na comparação anual.

"O desempenho frustrante da economia brasileira no início de 2019 reduziu o porcentual de empresários que percebem melhora corrente na economia. Em maio, a maioria dos varejistas brasileiros (52,7%) ainda considera o ritmo de atividade melhor do que há um ano - porcentual menor do que o registrado há três meses (59,9%). Ainda assim, esse porcentual se mostra maior do que o registrado em maio de 2018 (42,7%)", informou a CNC.

Na passagem de abril para maio, a avaliação das condições da economia foi o componente da avaliação das condições correntes a registrar a maior queda, de 1,4%.

A CNC observou que as perspectivas de melhora da atividade econômica registraram queda pelo terceiro mês seguido, de 2,1%, mas que a ampla maioria dos entrevistados (92,2%) ainda aposta na melhora da economia nos próximos meses. O porcentual, no entanto, está abaixo dos 95,3% registrados em fevereiro deste ano.

"Após oito meses de avanços mensais, a confiança dos empresários do comércio, que já havia recuado em abril, voltou a retroceder no mês de maio. A queda desse importante componente da reativação dos investimentos tem se mostrado compatível com as sucessivas revisões das expectativas para o crescimento da economia brasileira em 2019", explicou a CNC, considerando que apesar de ainda com números negativos, a percepção do comerciante é melhor do há um ano.

A entidade projeta para este ano saldo positivo de 105 mil postos de trabalho em todo o varejo. "Se confirmado, esse será o maior quantitativo de vagas abertas no setor desde 2014 (154,4 mil)", disse a CNC em nota.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.