Confiança do consumidor americano desaba em março

O índice de confiança do consumidor americano teve forte queda, passando de 76,4 em fevereiro para 64,5 em março. O índice de expectativas cedeu para 47,9 em março, de 58 em fevereiro; e o índice de situação presente recuou para 89,2 em março, de 104 em fevereiro. O índice de expectativas está na mínima dos últimos 35 anos."A confiança dos consumidores em relação à situação da economia continua a deteriorar-se e o índice permanece na mínima em cinco anos. A queda no índice de situação presente indica que o ritmo de expansão nos últimos meses desacelerou-se ainda mais. Olhando para a frente, o índice de perspectiva dos consumidores para as condições de negócios, para o mercado de trabalho e para suas perspectivas de renda mostra-se bastante pessimista, sugerindo possibilidade de enfraquecimento maior no horizonte", disse a diretora do centro de pesquisas do Conference Board, Lynn Franco.O relatório do Conference Board sobre a confiança dos consumidores americanos na economia em março mostrou que entre os entrevistados 25,4% consideram que as condições para os negócios são ruins, acima dos 21,3% que tinham esta opinião em fevereiro. Aqueles que acreditam que as condições para os negócios são boas recuaram para 15,4% em março, de 19,1% em fevereiro.A avaliação dos consumidores em relação ao mercado de trabalho também piorou, com 25,1% dizendo ser "difícil conseguir" um emprego em março, de 23,4% em fevereiro. O porcentual dos que acreditam haver "ampla disponibilidade" de empregos caiu para 18,8% em março, de 21,5% em fevereiro.A expectativa dos consumidores no curto prazo também se deteriorou em março. O porcentual dos que esperam piora nas condições dos negócios nos próximos seis meses subiu para 25,4% em março, de 21,6% em fevereiro, enquanto o porcentual dos que antecipam melhora nas condições caiu para 8,1% em março, de 9,7% em fevereiro.A avaliação para as perspectivas do mercado de trabalho segue pessimista. O porcentual de consumidores que esperam oferta menor de trabalho nos próximos meses subiu para 29% em março, de 28% em fevereiro, enquanto o porcentual dos que esperam aumento na oferta de trabalho caiu para 7,7% em março, de 8,9% em fevereiro. A proporção dos consumidores prevendo aumento em seus rendimentos caiu para 14,9%, de 18% em fevereiro. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.