Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

Confiança do consumidor atinge maior nível desde maio de 2008

Após acomodação, índice volta a subir com otimismo em relação à trajetória atual e futura da economia

Alessandra Saraiva, da Agência Estado,

23 de outubro de 2009 | 08h14

O consumidor mostra-se mais confiante na trajetória de recuperação da economia brasileira. É o que revelou o Índice de Confiança do Consumidor (ICC), que apresentou taxa positiva de 2,2% em outubro ante setembro, na série com ajuste sazonal. Essa taxa ficou acima da apurada no mês passado, quando o índice apresentou estabilidade (0,0%), na comparação com mês anterior. Em seu informe, a Fundação Getúlio Vargas (FGV) afirmou que "após dois meses de acomodação, o ICC voltou a subir, alcançando o maior nível desde maio de 2008". Segundo a FGV, o bom desempenho do índice deveu-se à melhor avaliação do consumidor em relação ao desempenho atual e futuro da economia brasileira. 

 

Veja também:

especialUm ano após auge da crise, economia se recupera

especialAs medidas do Brasil contra a crise

especialDicionário da crise 

especialComo o mundo reage à crise 

 

De acordo com a instituição, a fatia de consumidores pesquisados que avaliam a situação da economia local atual como boa subiu de 13% para 17,9%, de setembro para outubro; já a participação de consumidores que a julgam ruim caiu de 32,7% para 28,6%, no mesmo período.

 

As expectativas quanto ao futuro da economia nos próximos meses também ajudou a puxar para cima o ICC de outubro. O porcentual de pesquisados que preveem melhora na economia local nos próximos seis meses subiu de 28,9% para 31,0%; já a parcela que estima piora diminuiu de 12,5% para 10,2%.

 

Entretanto, a FGV fez um ressalva, em seu comunicado. Apesar de considerar que o ICC de outubro foi favorável, a instituição informou que, em sua avaliação, houve uma cautela do consumidor quanto aos gastos com bens duráveis que, na prática, tornou-se um "fator atenuante" para a elevação do ICC neste mês.

 

Com o resultado, o desempenho do indicador, que é calculado com base em uma escala de pontuação entre 0 e 200 pontos (sendo que, quanto mais próximo de 200, maior o nível de confiança do consumidor), foi de 111,2 pontos para 113,6 pontos. Segundo a FGV, o ICC subiu 13,3% em outubro, na comparação com igual mês do ano passado. Já em setembro o ICC havia apresentado queda de 1,1% nesse mesmo tipo de comparação.

 

Entenda o ICC

 

O ICC é dividido em dois indicadores: o Índice de Situação Atual (ISA), que apresentou a sexta elevação consecutiva com avanço de 5,6% em outubro, após subir 0,4% em setembro; e o Índice de Expectativas (IE), que mostrou taxa positiva praticamente estável, de 0,2% esse mês, em comparação com a queda de 0,3% no mês passado. O levantamento abrange amostra de mais de 2.000 domicílios, em sete capitais, com entrevistas entre os dias 30 de setembro e 20 de outubro.

Tudo o que sabemos sobre:
Confiança do ConsumidorFGV

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.