Confiança do consumidor atinge menor índice em 9 meses

O Índice de Confiança do Consumidor (ICC), calculado pela Federação do Comércio do Estado de São Paulo (Fecomércio) na região metropolitana de São Paulo registrou em junho queda de 0,8% em relação a maio, atingindo 133,1 pontos (a escala vai de 0 a 200 pontos). Segundo a Fecomercio, este é o menor nível de confiança apurado nos últimos nove meses. De acordo com comunicado distribuído pela entidade, as turbulências políticas e o arrefecimento da economia em função do aperto monetário "apontam para uma queda no consumo privado para os próximos meses". "Não há mais espaço para impulsionar o consumo apenas com base na oferta de crédito, enquanto se adota uma política monetária restritiva. Está na hora de buscar um mecanismo de controle da inflação que não puna o consumidor", afirmou Abram Szajman, presidente da Fecomercio, de acordo com o comunicado.O grupo que mais contribuiu para a queda no ICC de junho foi o de consumidores com renda superior a dez salários mínimos, com retração de 3,7%, atingindo 139,7 pontos. A coleta desta pesquisa, ressaltou a Fecomercio, foi encerrada dois dias antes da publicação da entrevista com denúncias do deputado Roberto Jefferson, que agravou a crise política interna. Já os consumidores com ganhos inferiores a dez salários mínimos estão mais otimistas: houve alta de 1% para esse grupo. A elevação foi puxada pela sensação em relação ao momento atual, com alta de 4,4% para esse segmento, atingindo 109,6 pontos. O dado, dizem os economistas da Fecomercio, pode ser explicado pelo aumento real do salário mínimo em maio.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.