Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Confiança do consumidor cai 0,4% em agosto, informa FGV

Taxa é bem inferior à registrada no mês de junho, quando o índice apresentou aumento de 2,9%

ALESSANDRA SARAIVA, Agencia Estado

25 de agosto de 2009 | 08h35

O humor do consumidor voltou a mostrar sinais negativos. É o que revela o Índice de Confiança do Consumidor (ICC), que caiu 0,4% em agosto em relação a julho, na série com ajuste sazonal. A taxa, informada nesta terça-feira, 25, pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), é bem menor que a apurada no mês passado.

A FGV revisou a taxa positiva do ICC de julho, em relação a junho, de 2,8% para 2,9%. Com o resultado, o desempenho do indicador, que é calculado com base em uma escala de pontuação entre 0 e 200 pontos, passou de 111,4 pontos em julho para 111,0 pontos em agosto. Quando mais próximo de 200, maior o nível de confiança do consumidor.

Em seu informe, a FGV disse que o resultado de agosto "pode ser interpretado como uma acomodação em novo patamar, após cinco meses seguidos de crescimento". Ainda segundo a instituição, o nível do ICC deste mês é ainda superior ao de sua média histórica (de 107 pontos) e ao nível de agosto do ano passado, quando atingiu 108,2 pontos (sem ajuste).

O ICC é dividido em dois indicadores: o Índice de Situação Atual (ISA), que apresentou alta de 2,3% em agosto, após avançar 2,9% em julho; e o Índice de Expectativas (IE), que apurou queda de 1,7% esse mês, em comparação com a alta de 2,8% em julho. Os dados de julho desses dois índices também foram atualizados pela FGV e apresentavam, respectivamente, taxas positivas de 2,8% e de 2,9% no mês passado.

Ainda segundo a FGV, o ICC subiu 1,9% em agosto, na comparação com igual mês do ano passado. Em julho, o ICC apresentou elevação de 6,4% nessa mesma base de comparação. O levantamento abrange uma amostra de mais de 2.000 domicílios, em sete capitais. As entrevistas foram feitas entre os dias 3 e 20 de agosto.

Futuro da economia

A maior contribuição da taxa negativa de 0,4% para o ICC de agosto em relação a julho está ligada às respostas pessimistas do consumidor quanto ao futuro da economia brasileira nos próximos meses. Segundo a FGV, o porcentual de consumidores entrevistados que preveem melhora na economia nos próximos seis meses caiu de 31,7% para 29,7%. No mesmo período, a parcela dos que projetam piora subiu de 13,5% para 14,0%.

No entanto, a FGV lembrou que as avaliações do consumidor sobre o momento atual mantiveram-se em trajetória ascendente, iniciada em maio de 2009. Na opinião dos consumidores brasileiros, houve melhora da situação financeira familiar este mês. De julho para agosto, a fatia dos entrevistados que avaliam como boa a situação das finanças da família subiu de 17,7% para 18,6%. A dos que a julgam ruim caiu de 14,9% para 13,8%. De acordo com a instituição, o resultado de agosto neste quesito é o mais favorável desde outubro de 2008, quando os percentuais, para as mesmas respostas, haviam sido respectivamente de 20,5% e 13,7%.

Tudo o que sabemos sobre:
confiançaconsumidorICCFGV

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.