Confiança do consumidor cai 2,8% em março

O Índice de Confiança do Consumidor (ICC), calculado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), caiu 2,8% em março ante fevereiro. O resultado foi pior do que o apurado em fevereiro (-1,3%) ante janeiro. Essa é a 13ª edição do indicador, calculado com base nos resultados da pesquisa Sondagem das Expectativas do Consumidor, apurada desde outubro de 2002 (com periodicidade trimestral até julho de 2004, quando passou a ser mensal).O ICC é composto por cinco quesitos contidos na Sondagem. Em comunicado, a FGV esclarece que, em março, "houve piora tanto das avaliações a respeito da situação presente quanto das previsões em relação aos próximos meses".Entre os quesitos relacionados ao presente, a proporção de consumidores que avaliam a situação econômica de sua cidade como boa diminuiu de 8,4% em fevereiro para 7,1% em março; a dos que a consideram ruim aumentou de 43% em fevereiro para 45,9% em março.Em relação ao futuro, houve redução, de fevereiro para março, de 14,5% para 12% na proporção de informantes que prevêem comprar mais bens duráveis nos próximos meses e aumento, de 25,9% para 28,7%, na parcela dos que prevêem comprar menos. Segundo a FGV, entre os quesitos integrantes do índice, este foi o que mais contribuiu para a queda do ICC neste mês.A Sondagem de Expectativas do Consumidor é realizada com base numa amostra de mais de 2.000 domicílios em sete das principais capitais brasileiras. A coleta de dados para a edição de março de 2007 foi realizada entre os dias 1 e 22 de março.

Agencia Estado,

27 de março de 2007 | 09h38

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.