Confiança do consumidor cresce 2% em maio

A melhora na avaliação da economia do País levou à recuperação do Índice de Confiança do Consumidor (ICC), que subiu 2% em maio, após cair 7% em abril. Pesquisa da Fundação Getúlio Vargas revelou o consumidor mais satisfeito com a situação econômica de sua cidade e com um ganho maior nas finanças pessoais. O avanço no número de postos de trabalho este ano, principalmente em São Paulo, elevou o poder aquisitivo da população.O levantamento abrange entrevistas com mais de 2 mil domicílios, em sete capitais, entre 2 e 21 de maio. Segundo a FGV, em maio o consumidor avaliou bem o cenário atual e mostrou-se otimista em relação ao futuro. O ICC é dividido em dois: o Índice de Situação Atual (ISA), que subiu 2,6% em maio, ante -5,9% em abril; e o Índice de Expectativas (IE), que subiu 1,6% em maio, ante -7,5% em abril. Ao detalhar o resultado, a coordenadora técnica de Análises Econômicas da FGV, Viviane Seda Bittencourt, disse que, de abril para maio, subiu de 15,5% para 19% a parcela de entrevistados que classificam como boa a situação econômica local. Porém, ao se analisar a evolução do nível de confiança entre as faixas de renda, a melhora não é tão disseminada. Entre consumidores com renda familiar até R$ 2.100, houve queda de 2,6% no ICC em maio. Isso porque os preços dos alimentos continuam a subir, principalmente aqueles que compõem a cesta básica, de grande peso no orçamento das famílias de menor poder aquisitivo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.