Felipe Rau|Estadão
Felipe Rau|Estadão

Confiança do consumidor melhora e atinge maior resultado desde janeiro de 2015

Pesquisa da CNI mostra que a população está mais otimista em relação à inflação, emprego e renda; apesar da melhora, indicador ainda está abaixo da média histórica

Sandra Manfrini, O Estado de S.Paulo

30 de maio de 2016 | 17h51

A confiança do consumidor apresentou uma melhora significativa em maio, segundo pesquisa divulgada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). No mês, o Índice Nacional de Expectativa do Consumidor (Inec) registrou 105,2 pontos, um aumento de 7,9% em relação a abril. Com esse desempenho, o Inec atingiu o maior valor desde janeiro de 2015. 

A CNI destaca, no entanto, que, apesar da melhora nas expectativas, o indicador ainda está 3,6% abaixo da média histórica, o que inibe uma recuperação mais forte do consumo no momento. 

A pesquisa revela que o crescimento do indicador foi puxado, principalmente, pela melhora nas expectativas dos consumidores em relação à inflação, ao emprego e à renda nos próximos seis meses. O índice de expectativa da inflação cresceu 23,2% em maio na comparação com abril, o que significativa melhora da percepção dos brasileiros sobre a evolução dos preços.

O indicador que mede expectativa sobre desemprego teve alta de 15,2% no período. Segundo a CNI, a alta desse indicador sinaliza aumento no número de pessoas que responderam que preveem manutenção dos empregos. O índice que mede as perspectivas em relação à renda pessoal também cresceu 9,8% em maio ante abril. 

Os índices de situação financeira e endividamento em relação aos últimos três meses permaneceram baixos, apesar de terem apresentado melhora em relação a abril. O indicador de situação financeira aumentou 4,5% e o de endividamento teve alta de 6,1%, o que significa que mais pessoas responderam ter havido manutenção da situação financeira e queda em suas dívidas.

O único indicador que registrou retração em maio na comparação mensal foi o de expectativa sobre compra de bens de maior valor. A pesquisa aponta para uma queda de 0,6% nesse índice. 

A pesquisa da CNI foi feita em parceria com o Ibope e foram ouvidas 2.002 pessoas entre os dias 12 e 16 de maio. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.