carteira

As ações mais recomendadas para dezembro, segundo 10 corretoras

Confiança do consumidor no futuro da economia sobe em maio

Índice da Fecomercio-SP sobe para 125,7 pontos, de 124,9 em abril, mas cai 15,6% na comparação com 2008

Agência Estado,

12 de maio de 2009 | 12h07

A confiança dos paulistanos no futuro da economia cresceu 0,7% em maio em relação ao abril, mostra o Índice de Confiança do Consumidor (ICC), divulgado nesta terça-feira, 12, pela Federação do Comércio do Estado de São Paulo (Fecomercio). O índice, que varia de zero (pessimismo total) a 200 (otimismo total), ficou em 125,7 pontos. Abaixo de cem pontos, o cenário é considerado pessimista, acima, otimista.

 

Veja também:

especialAs medidas do Brasil contra a crise

especialAs medidas do emprego

especialDe olho nos sintomas da crise econômica 

especialDicionário da crise 

especialLições de 29

especialComo o mundo reage à crise

 

Mesmo assim, a incerteza trazida pela crise econômica mundial causou uma queda de 15,6% no ICC de maio em relação ao mesmo mês de 2008. O índice de confiança ficou em 132,9 pontos em fevereiro, 128,2 em março e 124,9 em abril. A Fecomercio apura mensalmente o indicador, com 2.100 consumidores na cidade de São Paulo.

 

A faixa etária em que o otimismo mais cresceu (6,8%) no período foi a das pessoas com 35 anos ou mais, que registrou confiança de 131,1 pontos. O grupo em que o otimismo mais caiu (-4,4%) foi o dos que têm menos de 35 anos, com ICC de 131,5 pontos. O economista Thiago de Freitas, da Fecomercio, associa o mau resultado entre os mais jovens à falta de experiência com crises.

 

O ICC é composto pelo Índice das Expectativas do Consumidor (IEC), sobre o futuro, e o Índice das Condições Econômicas Atuais (Icea), sobre o presente. O IEC subiu 1,2% e ficou em 131,3 pontos. O Icea caiu 0,1% e ficou em 117,4 pontos. O Icea está relacionado à percepção do consumidor sobre a segurança em termos de emprego e renda.

 

Segundo Freitas, os dois indicadores mostram que, embora cauteloso quanto ao presente, o consumidor mantém boas perspectivas. A queda do Icea (presente) foi mais acentuada entre os homens (-2,2%), atingindo 119,4 pontos. Entre eles, o patamar de confiança era mais elevado. "A diferença de comportamento pode representar um ajuste de expectativas entre os sexos", diz Freitas.

Tudo o que sabemos sobre:
crise financeiraconsumidorconfiança

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.