Confiança do consumidor nos EUA tem máxima de 3 meses em agosto

A confiança do consumidor dos Estados Unidos melhorou no início de agosto e atingiu o maior nível em três meses, conforme as vendas no varejo e as baixas taxas de hipoteca levaram os norte-americanos a ampliar seus planos de compras, mostrou pesquisa Thomson Reuters/Universidade do Michigan.

Reuters

17 de agosto de 2012 | 11h28

Mas preocupações com a alta dos preços dos alimentos provocaram um salto nas expectativas de inflação tanto no curto quanto no longo prazo, mostrou a pesquisa.

Leitura preliminar do índice sobre a confiança do consumidor subiu para o maior nível desde maio, para 73,6, ante 72,3 no mês passado, superando as expectativas de economistas de uma ligeira alta para 72,4.

"Embora a taxa de crescimento nos gastos com consumo pessoal possa se recuperar ante o segundo trimestre, pode-se esperar que o crescimento permaneça pouco abaixo de 2 por cento até o final do primeiro trimestre de 2013", afirmou o diretor da pesquisa, Richard Curtin, em comunicado.

Os planos de compra foram impulsionados pelos preços baixos e a medida de condições de compra de bens duráveis para casa subiu para 140, ante 130.

A medida da pesquisa sobre as condições econômicas atuais subiu para 87,6 ante 82,7, mas a avaliação das expectativas do consumidor recuou para 64,5 ante 65,6. As expectativas atingiram o menor nível desde dezembro.

A expectativa de inflação para um ano subiu ao maior nível desde março, para 3,6 por cento ante 3,0 por cento anteriormente, enquanto a perspectiva de inflação de cinco a 10 anos ficou em 3 por cento ante 2,7 por cento.

(Reportagem de Leah Schnurr)

Tudo o que sabemos sobre:
MACROCONFIANCAEUA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.