Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

Confiança do consumidor tem maior nível desde julho de 2011--FGV

O Índice de Confiança do Consumidor (ICC) da Fundação Getúlio Vargas avançou 2,8 por cento em março na comparação com fevereiro, ao passar de 119,4 para 122,7 pontos, informou a FGV nesta segunda-feira. Este é o maior nível desde julho de 2011, quando o índice havia atingido 124,4 pontos.

REUTERS

26 de março de 2012 | 08h28

De acordo com a FGV, houve melhora tanto nas avaliações sobre o momento atual quanto nas expectativas em relação aos próximos meses. O Índice da Situação Atual (ISA) subiu 1,6 por cento, passando de 140,5 para 142,7 pontos. Já o Índice de Expectativas cresceu 3,6 por cento, de 108,3 para 112,2 pontos.

Pelo segundo mês consecutivo, o indicador que mede a satisfação com a situação econômica local avançou. Com a alta de 4,5 por cento o índice alcançou o nível mais alto desde março de 2011, quando havia chegado a 117,4 pontos.

Entre fevereiro e março, a proporção de consumidores que avaliam a situação como boa aumentou de 24,4 por cento para 29,8 por cento; e a dos que a julgam ruim subiu em menor proporção, de 17,0 por cento para 17,6 por cento.

O indicador de ímpeto de compras de bens duráveis recuperou em março parte das perdas ocorridas nos últimos meses e foi o quesito que mais contribuiu para a alta do ICC no mês. O indicador subiu 10,0 pontos, atingindo 87,8 pontos, o maior nível desde dezembro de 2011.

A parcela de consumidores que planeja gastar mais com duráveis nos seis meses seguintes caiu de 17,8 por cento para 13,8 por cento; e a dos que pretendem gastar menos diminuiu de 38,0 por cento para 26,0 por cento.

(Reportagem de Camila Moreira)

Tudo o que sabemos sobre:
MACROFGVCONFIANCA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

  • O Pix é seguro? Veja dicas de especialistas sobre o sistema de pagamentos
  • 13º salário: quem tem direito, datas e como a pandemia pode afetar o cálculo
  • Renda básica: o que é, quais os objetivos e efeitos e onde é aplicada

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.