Confiança do consumidor volta a cair em abril, diz CNI

A confiança do consumidor brasileiro voltou a cair em abril e registrou o menor resultado desde agosto de 2011. O Índice Nacional de Expectativa do Consumidor, divulgado nesta quinta-feira, 25, pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), registrou 112,1 pontos, recuo de 1,9% na comparação com março. Foi a quarta queda nos últimos cinco meses. A única exceção, neste ano, foi em março, quando houve crescimento.

LAÍS ALEGRETTI, Agencia Estado

25 de abril de 2013 | 11h41

Para a CNI, a piora do índice é resultado, principalmente, de uma "reversão das expectativas acerca da inflação". Em abril, o porcentual de consumidores com perspectivas otimistas sobre a trajetória dos preços caiu 5,1% em relação a março. Na comparação com o mesmo período do ano passado, o índice mostrou queda de 1,1%.

"O aumento da preocupação com a inflação e com a renda pessoal afeta a demanda futura. Isso compromete a retomada do crescimento econômico", avalia o economista da CNI Marcelo Azevedo em nota.

A expectativa em relação à renda futura também colaborou com o resultado. O índice de expectativa de renda pessoal diminuiu 4,1% em abril na comparação com março. Na comparação com igual mês do ano anterior, o recuo foi de 0,9%. Também tiveram piora as avaliações da situação financeira e de endividamento. As quedas em relação ao mês anterior foram de 3,1% e 2,5%, respectivamente.

Apesar dos resultados ruins, os brasileiros estão mais otimistas com o mercado de trabalho. As expectativas de desemprego caíram 1,8% em relação a março e 2,1% na comparação com igual mês do ano anterior.

O indicador de compras de maior valor apresentou um pequeno aumento de 0,4% na comparação com março e queda de 1,1% em relação a março de 2012.

A CNI informou que foram ouvidas 2.002 pessoas em 141 municípios entre os dias 11 e 15 de abril.

Tudo o que sabemos sobre:
CNIINECABRIL

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.