Confiança do empresário da indústria é a mais baixa desde 2009

Elevação dos juros e os protestos da população explicam a queda, segundo a CNI

Ayr Aliski, da Agência Estado,

16 de julho de 2013 | 12h08

BRASÍLIA - Os empresários industriais ingressaram no mês de julho mais pessimistas com o futuro, revela pesquisa divulgada nesta terça-feira, 16, pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). O Índice de Confiança do Empresário Industrial (Icei) caiu para 49,9 pontos este mês, ante 54,8 pontos, em junho. Com esse recuo de 4,9 pontos, a confiança dos industriais, este mês, é a mais baixa desde abril de 2009, alerta a CNI. A entidade lembra que, naquela época, o Brasil enfrentava os efeitos da crise financeira internacional.

O Icei varia de zero a cem. Abaixo de 50 indica falta de confiança. Ou seja, o indicador deste mês entrou, oficialmente, no terreno negativo. "Há dois motivos para a queda da confiança em julho. O primeiro é a retomada da política de elevação dos juros e, o segundo, os protestos da população", avalia o gerente executivo da Unidade de Pesquisa e Competitividade da CNI, Renato da Fonseca. A pesquisa foi realizada entre 1º e 12 de julho com 2.475 empresas, das quais 874 são pequenas; 973 são médias e 628, grandes.

O Icei é composto por um conjunto de itens: avaliação das condições atuais sobre a economia brasileira e à empresa, considerando o horizonte dos últimos seis meses; além de expectativas para os próximos seis meses também em relação à economia brasileira e à empresa. A avaliação dos empresários em relação à situação atual da economia caiu para 34,1 pontos (41,6 pontos em junho). A percepção sobre as condições da empresa recuaram para 44,7 pontos (49,4 pontos em junho). As expectativas com relação à economia marcaram 46,8 pontos este mês (52,5 pontos em junho) e as expectativas quanto à situação da empresa ficaram em 58,2 pontos (62,1 pontos, no mês anterior).

A confiança caiu em todos os segmentos da indústria. Mas o pessimismo é maior na indústria de transformação, segmento no qual o Icei caiu para 49,2 pontos (54,1 pontos em junho). Na indústria extrativa, o índice marcou 52,3 pontos este mês (57,5 pontos no mês anterior). Na indústria da construção, o Icei deste mês ficou em 51,2 pontos (55,2 pontos em junho).

Por porte de empresa, as grandes registraram Icei de 50,4 pontos este mês. As pequenas registraram 49,9 pontos e as médias foram as mais pessimistas, com 49,1 pontos.

Por região, os mais otimistas são os industriais do Nordeste, com 53,3 pontos este mês, seguidos pelo empresários do Centro-Oeste (52,6 pontos) e da região Norte (51,7 pontos). O pessimismo atinge os industriais das regiões Sul (48,4 pontos e Sudeste (46,9 pontos).

Fonseca lembra que a queda na confiança dos empresários indica que a economia terá dificuldades de recuperação. "O empresário que não está muito confiante é mais conservador na hora de expandir a produção. Baixa confiança significa baixo investimento, baixa contratação de trabalhadores e baixa atividade industrial", afirma o gerente da CNI.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.