Confiança do empresário é a maior desde 2005, aponta CNI

Índice alcançou 62 pontos em abril, valor 2,6 pontos acima do registrado em abril do ano passado

RENATA VERÍSSIMO, Agencia Estado

24 de abril de 2008 | 12h02

A confiança do empresário industrial brasileiro aumentou pelo quarto trimestre consecutivo e atingiu, em abril, o maior nível desde janeiro de 2005. Os números estão na pesquisa Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI), divulgada hoje pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). O índice alcançou 62 pontos em abril, valor 2,6 pontos acima do registrado em abril do ano passado. Em relação a janeiro deste ano, quando foi divulgada a pesquisa relativa ao quarto trimestre de 2007, houve crescimento de 0,2 pontos, o que, para a CNI, pode ser considerada um resultado positivo porque, tradicionalmente, o ICEI de abril é pior que o de janeiro.   Veja também: Confiança do consumidor é a pior desde setembro de 2007  Desemprego cai a 8,3% e renda real cresce em março  Renda cresce em março, mas não recupera perdas  BC destaca risco de inflação e pode continuar a subir jurosO resultado, no entanto, foi mantido em função da avaliação das grandes empresas. O índice de confiança neste segmento subiu de 62,4 pontos em janeiro para 64,4 pontos em abril. Por outro lado, o índice de confiança dos pequenos empresários caiu de 61,1 pontos para 60,2 pontos no mesmo período. O indicador das médias empresas também caiu de 61,7 pontos em janeiro para 60,5 pontos em abril. Os indicadores variam de zero a cem. Avaliações acima de 50 pontos indicam empresários confiantes na economia brasileira e nos próprios negócios."Mais importante, no entanto, é que o resultado indica a manutenção da disposição dos empresários em investir e em aumentar a produção de suas empresas, o que significa manutenção do crescimento da indústria?, diz a CNI, em nota.Segundo o documento, os empresários avaliaram melhor a situação atual da economia do que dos próprios negócios. O ICEI que avalia a econômica neste momento atingiu 56,3 pontos, entretanto, em relação a situação da própria empresa, ficou em 55 pontos. Mas quando perguntados sobre a expectativa para os próximos seis meses, o indicador ficou em 60,3 pontos em relação à economia brasileira e subiu para 67,8 pontos em relação ao próprio negócio.SetoresOs indicadores de todos os setores ficaram acima dos 50 pontos, com destaque para o setor outros equipamentos de transporte (67,9 pontos) e para a indústria extrativa (66,3 pontos). A menor confiança foi registrada entre os empresários do setor de madeira, com índice de 51,2 pontos. Ainda assim, o indicador cresceu em relação a janeiro, quando havia ficado abaixo dos 50 pontos.Para formar o ICEI, que é trimestral, a CNI ouviu 1.490 empresas de 22 Estados, sendo 846 de pequeno porte, 437 de médio porte e 207 grandes indústrias. As opiniões foram encaminhadas à entidade entre os dias 31 de março e 23 deste mês.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.