Confiança dos americanos atinge nível mais baixo desde 2003

A confiança dos consumidores no andamento da economia dos Estados Unidos experimentou em setembro, após a passagem dos furacões Katrina e Rita, uma forte queda e se situou na posição mais baixa dos dois últimos anos. Desta maneira, o índice de confiança que o grupo de estudos econômicos The Conference Board elabora ficou em 86,6 pontos, quando, um mês antes, girava em torno de 105,6 pontos. Os analistas tinham antecipado uma queda, mas não tão forte, já que previam que o indicador se situaria em torno de 95 pontos. Por trás desta queda, há vários fatores como a destruição que o furacão Katrina deixou no final de agosto no sul dos Estados Unidos, unido à forte alta dos preços dos combustíveis e às piores expectativas do mercado de trabalho. Esses fatores criaram um certo grau de "incerteza e preocupação", disse hoje a diretora do departamento The Conference Board que elabora este índice, Lynn Franco. Este centro de estudos estima que a piora da confiança provocará num curto prazo um retrocesso do consumo, sobre o qual se baseia a maior parte da economia americana. Outros índices Em setembro também pioraram outros indicadores, como o índice de confiança na situação presente da economia dos EUA, que caiu se 123,8 pontos para 108,9 pontos, e o de expectativas futuras, que caiu de 93,3 pontos de agosto para 71,7 pontos de setembro. Para elaborar o índice, The Conference Board entrevista 5.000 lares americanos.

Agencia Estado,

27 Setembro 2005 | 13h34

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.