Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Confiança perde força e índice de bolsas da Ásia volta a recuar

O índice de bolsas de valores da Ásia voltou a operar em baixa pela segunda sessão consecutiva nesta terça-feira, diante de perda de força na confiança que vinha estimulando investidores a apostar em rali em pregões anteriores.

RAFAEL NAM, REUTERS

12 de maio de 2009 | 08h29

A confiança foi atingida por dados que mostraram que as exportações da China tiveram queda mais acentuada do que o esperado em abril frente ao ano passado, levantando novas dúvidas sobre as perspectivas de recuperação da terceira maior economia do mundo. As importações do país também recuaram.

Esperanças de recuperação na China ancoradas no grande pacote de gastos do governo instigaram um avanço nos mercados acionários a partir do começo de março, com investidores apostando em uma reviravolta na economia global.

"As exportações ainda estão caindo, e o futuro da economia mundial permanece incerto. É realmente muito difícil ser otimista em relação às perspectivas de comércio da China", disse Qi Jingmei, economista do State Information Centre, em Pequim.

Às 8h10 (horário de Brasília), o índice MSCI caía 0,75 por cento, para 302 pontos. Essa é a segunda queda consecutiva do indicador, embora ainda acumule ganhos de cerca de 50 por cento desde o começo de março.

O índice Nikkei, de TÓQUIO, retrocedeu 1,6 por cento, para 9.298 pontos, cedendo à realização de lucros após ter alcançado o maior patamar de fechamento em seis meses na segunda-feira.

As ações da farmacêutica Daiichi Sankyo desabaram 9,3 por cento, enquanto papéis do setor financeiro, como os do Mitsubishi UFJ Financial Group, reverteram fortes ganhos iniciais diante da notícia de que vários bancos norte-americanos emitirão ações ordinárias para pagar empréstimos tomados do governo.

"Os investidores estão ficando um pouco nervosos após vários dias de ganhos estáveis. O apetite deles por risco diminuiu levemente após bancos norte-americanos mudarem de direção ontem e caírem, enquanto alguns se empenham para levantar mais capital", disse Shoji Yoshigoe, estrategista sêniro de investimentos da Mitsubishi UFJ Securities.

"As vendas no mercado ainda estão basicamente limitadas à realização de lucros", acrescentou.

O Banco Central da Coreia do Sul previu um crescimento trimestral suavemente positivo nos próximos meses, mas disse que os riscos permanecem e, por isso, manterá a política monetária. O órgão deixou a taxa de juro em nível mínimo recorde de 2 por cento, conforme amplamente esperado.

A bolsa de SYDNEY perdeu 1,24 por cento, enquanto TAIWAN caiu 3,23 por cento e SEUL se desvalorizou em 0,82 por cento.

No sentido contrário, CINGAPURA ganhou 0,56 por cento, XANGAI subiu 1,49 por cento e HONG KONG teve alta de 0,38 por cento.

Tudo o que sabemos sobre:
BOLSAASIAFECHA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.