Confusão na reforma da Previdência influencia mercados

Hoje, pelo segundo pregão consecutivo, a confusão das negociações sobre a reforma da Previdência influenciou de forma negativa o desempenho da Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa). O recuo do governo na proposta da reforma, as críticas a esse recuo da parte de sindicalistas, de parlamentares do PT e dos governadores e o desconforto demonstrado pelo ministro Palocci em relação a essa polêmica inibiram os negócios na bolsa paulista nesta sexta-feira, que fechou em queda de 1,34%. O volume financeiro ficou em apenas R$ 516 milhões. O mercado de juros também foi influenciado pelo cenário político. Os contratos com taxas pós-fixadas negociados na Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F), com vencimento em janeiro de 2004, chegaram ao final do dia em 21,71% ao ano ? frente a 21,66% ao ano ontem. O dólar comercial fechou em leve alta de 0,03% em relação aos últimos negócios de ontem. Na ponta de venda das operações, a moeda norte-americana encerrou o dia negociada a R$ 2,8930. Depois de abrir em R$ 2,9150 - patamar máximo do dia -, o dólar oscilou e, na cotação mínima do dia, chegou a R$ 2,8920. Com o resultado de hoje, a moeda norte-americana apresenta alta de 1,79% em julho e queda de 18,28% no ano.

Agencia Estado,

11 Julho 2003 | 18h47

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.