Confusão sobre as refinarias
Imagem Celso Ming
Colunista
Celso Ming
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Confusão sobre as refinarias

Petrobras precisar vender parte de suas refinarias por determinação do Cade, mas encontra dificuldades em fechar negócio com o governo tentando intervir nos preços dos combustíveis no mercado interno

Celso Ming*, O Estado de S.Paulo

24 de junho de 2022 | 19h35

O governo Bolsonaro quer que a Petrobras deixe de reajustar os preços dos combustíveis, mas não sabe como tratar o risco de desabastecimento.

O Brasil é autossuficiente e exportador de petróleo cru, mas suas refinarias produzem apenas entre 70% e 80% do óleo diesel e cerca de 90% da gasolina consumidos internamente. Portanto, uma parcela dos combustíveis é importada.

Se os preços internos têm de se manter achatados (com “defasagem”, que no último dia 23 ainda era de 10% no diesel e de 8% na gasolina), o risco é o de que as importadoras suspendam suas compras no exterior e o mercado interno tenha de conviver com certo grau de desabastecimento, o suficiente para criar distorções no transporte, que é o que está acontecendo na Argentina.

Para resolver o problema de curto prazo, o governo quer que a Petrobras importe o que vier a faltar e assuma o prejuízo de revendê-lo internamente a preços mais baixos, o que sujeitaria a empresa a processos no Brasil e no exterior.

Os políticos do PT vão mais longe. Querem que a Petrobras despeje seus capitais, hoje concentrados na produção de óleo cru, na ampliação da capacidade de refino. É proposta que contraria o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) que determinou a venda de refinarias da Petrobras para estimular a concorrência no setor, e a empresa, em Termo de Compromisso de Cessação assinado em 2019, concordou em vender 8 delas.

A concentração dos investimentos na produção de petróleo faz parte da atual política que leva em conta não só o melhor retorno do capital, mas, também, a decisão global de apressar a substituição dos combustíveis fósseis por combustíveis limpos – o que reduzirá o petróleo à condição de mico em cerca de 20 anos. O que não tiver sido aproveitado, até então, ficará para sempre no subsolo. E a Petrobras terá dispersado seus recursos.

A dificuldade da Petrobras de revender suas refinarias tem a ver com a ameaça, a todo o momento retomada pelo governo, de achatar artificialmente os preços dos derivados. Nenhum investidor tem interesse em despejar cerca de US$ 10 bilhões numa capacidade de refino de até 400 mil barris diários se o vizinho ao lado vende seus derivados a uma fração do preço de mercado.

A proposta do governo de Bolsonaro ainda é mais confusa quando se leva em conta sua intenção de privatizar a Petrobras. Não faria sentido exigir investimentos da Petrobras em novas refinarias se ela própria deve ser privatizada.

Nesse ponto, como já apontado nesta Coluna em outra edição, a proposta dos petistas mostra outra inconsistência. Foi o governo Lula que decidiu que metade dos investimentos na Refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco, fosse entregue a uma empresa estrangeira, a Petróleos de Venezuela S.A (PDVSA). Estava tudo acertado, mas o governo Hugo Chávez roeu a corda e deixou a Petrobras sozinha na empreitada. Portanto, a defesa do monopólio no refino pelo PT é incongruência histórica. 

*CELSO MING É COMENTARISTA DE ECONOMIA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.