Congressistas temem que dinheiro de pacote tenha outros fins

Há indícios que dinheiro possa ser usado por banqueiros para quitar dividas e aumentar salários de empregados

Associated Press,

25 de outubro de 2008 | 15h29

Originalmente, o pacote de US$ 700 bilhões aprovado pelo Congresso americano seria usado para comprar hipotecas desvalorizadas e outros títulos podres do mercado imobiliário para descongelar o acesso ao crédito nos EUA. Depois, o governo americano resolveu seguir o plano europeu e usar U$ 250 bilhões do plano para estatizar bancos afetados pela crise. Veja também:Lições de 29 Consultor responde a dúvidas sobre crise  Como o mundo reage à crise  Entenda a disparada do dólar e seus efeitosEspecialistas dão dicas de como agir no meio da crise A cronologia da crise financeira  Dicionário da crise  Estas instituições utilizariam o dinheiro adquirido com a venda das ações ao Estado para restabelecer o acesso ao crédito. Mas há indícios de que banqueiros podem usar este dinheiro para comprar outros bancos, quitar dividas e aumentar salários de empregados e de executivos com altos cargos, ou até mesmo guardar o dinheiro. Seguradoras e montadoras agora também querem uma fatia dos recursos públicos, mesmo com uma lei aprovada pelo Congresso que lhes dá US$ 25 bi em empréstimos de baixo custo. O senador Chris Dodd, chefe do comitê, disse que estes indícios eram mais que preocupantes. Três semanas após sua aprovação e sem um centavo dos U$ 700 bi ter sido liberado oficialmente, alguns congressistas acreditam que o pacote é bem diferente do que foi propagandeado pelo governo Bush. Nesta semana, o governo confirmou que o PNC Financial Services irá receber US$ 7,7 bi em ações. No mesmo dia, o banco comprou o National City Corp por US$ 5,58 bi.  O secretário do tesouro, Henry Paulson, disse em entrevista a rede pública PBS que algumas consolidações na indústria financeira podem ocorrer, mas isto não é o objetivo do programa. "Temos que manter o foco em manter nossos bancos saudáveis e capitalizados para que eles possam desempenhar o papel que nosso país precisa deles".  O senador Charles Schumer, democrata de Nova York, questionou o fato que os bancos usem parte do pacote para quitar dividendos. Ele ainda teme que os banqueiros "coloquem o dinheiro embaixo do colchão" e não aliviam o congelamento de crédito. O republicano Richard Shelby, do Alabama, membro do comitê financeiro do Senado, acredita que a proposta de estatização dos bancos desviou o plano de seu significado original. "Precisamos examinar de perto a razão para esta mudança", disse o senador, que se opôs ao plano de resgate. O chefe do programa de estabilidade financeira do departamento do Tesouro, Neel Kashkari, disse ao comitê do Senado que as regras do programa de transferência de capital não são tão rígidas porque isto podia desencorajar a participação de instituições financeiras.

Tudo o que sabemos sobre:
Crise Financeira, Crise nos EUA, Bush

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.