Congresso argentino aprova lei para reestruturar dívida

Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Congresso argentino aprova lei para reestruturar dívida

A lei permitirá que a Argentina pague sua dívida sob leis estrangeiras, que ronda US$ 29 bilhões, em Buenos Aires ou em cidades fora do alcance da justiça norte-americana

REUTERS

11 de setembro de 2014 | 07h26

O Congresso argentino aprovou na quinta-feira, 11, uma lei para reestruturar a dívida do país com o objetivo de se esquivar de uma determinação de um tribunal norte-americano que forçou o país a entrar em um segundo default em pouco mais de uma década.

Após quase 16 horas de debate, a Câmara dos Deputados aprovou a iniciativa enviado pelo governo por 134 votos a favor e 99 contra. O Senado havia aprovado o projeto na semana passada.

A lei permitirá que a Argentina pague sua dívida sob leis estrangeiras, que ronda US$ 29 bilhões, em Buenos Aires ou em cidades fora do alcance da justiça norte-americana.

Também abre a porta para que os credores externos troquem seus títulos emitidos sob leis estrangeiras por outros sob jurisdição do país sul-americano ou da França.

A Argentina caiu no final de julho em default uma vez que seus credores não receberam o pagamento do cupom de um título Discount, já que o juiz distrital de Nova York Thomas Griesa bloqueou o processo de transferência do dinheiro até que o país compense os hedge funds que têm em carteira dívida não paga desde o default de 2002.

A Argentina conseguiu renegociar a maior parte de sua dívida em default, mas uma minoria dos credores liderados pelos fundos que a Argentina considera "abutres" reclama o pagamento total dos bônus.

Mas a nova lei, que Griesa diz violar suas ordens, pode acabar sendo ineficaz devido a problemas legais para implementá-la e ao ceticismo dos investidores.

(Reportagem de Sarah Marsh e Alejandro Lifschitz)

Tudo o que sabemos sobre:
MACROARGENTINAdívida

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.