Congresso de Petróleo no RJ atrai 3,4 mil participantes

O Congresso Mundial de Petróleo no Rio de Janeiro teve um público pelo menos 15% maior do que o anterior, realizado no Canadá em 2000, informou o coordenador do evento, João Carlos de Luca, presidente do Instituto Brasileiro de Petróleo (IBP). Segundo ele, foram 3.461 delegados participantes com 480 acompanhantes, de 78 países. Paralelamente ao evento principal, a Rio Oil & Gas, também no Riocentro, contabilizou um público médio de dez mil pessoas por dia, o que representa um crescimento de 60% sobre a versão da feira realizada dois anos atrás. A área da feira, disse ele, também foi recorde, atingindo a 31 mil metros quadrados. "Não é possível somar os negócios realizados num evento como este, porque a maioria dos contatos feitos na feira só vai se concretizar posteriormente", explicou. Ele acredita, entretanto, que o "bom volume de negócios se reflete na porcentagem de estandes já comercializados para a próxima feira, que atinge a 60%". De Luca também considerou que o objetivo do evento foi atingido, ao trazer para a pauta de discussões do setor a responsabilidade social. "Não era nossa intenção resolver todos os problemas desta área de uma vez, mas iniciar uma discussão, e esta meta foi cumprida". Ainda segundo De Luca, o evento no Rio inovou ao integrar a participação das organizações não governamentais em estandes próprios, dentro da feira. "Evitamos com isso manifestações mais acirradas, apesar de saber que seria impossível evitá-las por completo", disse, comentando que não ficou surpreso com a manifestação realizada hoje pelo Greenpeace, em local próximo ao evento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.