Pablo Valadares/Câmara dos Deputados
Pablo Valadares/Câmara dos Deputados

R$ 1,57 bi

E-Investidor: Tesouro Direto atrai mais jovens e bate recorde de captação

Congresso deve derrubar veto de Bolsonaro a reajuste de servidores, diz relator

Bolsonaro disse que até quarta-feira deve sancionar o projeto de socorro aos Estados com o veto à possibilidade dos reajustes.

Idiana Tomazelli, O Estado de S.Paulo

11 de maio de 2020 | 18h45

BRASÍLIA - Relator do projeto de socorro a Estados e municípios, o deputado Pedro Paulo (DEM-RJ) avalia que o Congresso Nacional deverá derrubar o veto do presidente Jair Bolsonaro ao artigo que livra categorias de servidores do congelamento de salários até o fim de 2021. "Acho difícil não derrubar", disse Pedro Paulo em mensagem ao Broadcast.

"Até porque para não derrubar seria necessário um presidente que conversasse com a sociedade, com o servidor público, com o Congresso, e não apenas reclamar e brigar. Assim, não se consegue nada, só derrotas", acrescentou o deputado.

Bolsonaro disse que até quarta-feira deve sancionar o projeto de socorro aos Estados com o veto à possibilidade dos reajustes. Ele afirmou que conversou com o ministro da Economia, Paulo Guedes, e que vai "atendê-lo 100%".

Como mostrou o Estado, o projeto foi aprovado no Senado com o aval do próprio presidente para beneficiar o funcionalismo, principalmente da área de segurança, atropelando a orientação do ministro Guedes de garantir essa contrapartida ao socorro de R$ 125 bilhões aos Estados e municípios.

O ministro ficou irritado com a orientação dada pelo líder do governo na Câmara, Major Vitor Hugo (PSL-GO), avalizando a flexibilização e reclamou com o presidente. Bolsonaro conversou com Guedes sobre a possibilidade de veto antes de uma entrevista concedida na semana passada em que anunciou a intenção de seguir a orientação da equipe econômica para manter o congelamento até 2021.

O congelamento integral garante economia de R$ 130 bilhões para União, Estados e municípios. Da forma como foi aprovado no Congresso, o texto dá alívio de apenas R$ 43 bilhões.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.