Congresso dos EUA aprova lei de ajuda imobiliária

O Congresso norte-americano aprovouneste sábado uma lei com um grande pacote de ajuda para omercado imobiliário, oferecendo um financiamento emergencialpara a Fannie Mae e a Freddie Mac, criando um novo reguladorpara os titãs do setor de hipoteca e formando um fundo de 300milhões de dólares para ajudar proprietários de imóveisendividados. A lei foi aprovada no Senado após um placar 72-13 votos,após ter passado pela Câmara na quarta-feira. O presidenteGeorge W. Bush deve sancionar a lei rapidamente. Com as taxas de execuções de hipotecas crescendo, as lentasvendas de moradias e os valores das propriedades em queda, osEUA se encontra na maior crise imobiliária desde a GrandeDepressão. A crise será amenizada, mas não chegará a um fim comesta lei de ano de eleições, afirmaram ativistas do setor eacadêmicos. "Nós temos um mercado imobiliário passando por uma paradacardíaca. Esta lei é como um processo de reanimação cardíacapara estabilizar a situação", disse David Abromowitz, membrosênior do Center for American Progress, um centro de pesquisaem Washington. A aliança nacional de 600 comunidades de investimento egrupos de desenvolvimento, estima que 2,5 milhões de moradoresirão enfrentar execuções de hipotecas neste ano. Embora a legislação do Congresso seja bem recebida, afirmoua coalizão, ela "terá provavelmente pouco efeito na crise dehipotecas ligada aos mercados financeiros e economia". A lei de 694 páginas irá estabelecer um fundo de 300bilhões de dólares sob a Administração Federal de Imóveis paraajudar moradores endividados que enfrentam riscos de execuçõesde hipotecas. O sucesso do fundo temporário irá depender da disposiçãodos concessores de empréstimos de aceitar suas perdas dosempréstimos originais e concederem novos empréstimos paratomadores endividados. Segundo estimativas, 400 mil famíliaspodem ser ajudadas pelo programa. As medida ainda oferecem financiamento temporário para aFannie Mae e a Freddie Mac. As duas empresas apoiadas pelogoverno garantem juntas quase metade dos 12 trilhões de dólaresem dívidas de hipotecas. Ambos os candidatos à Presidência norte-americana BarackObama e John McCain elogiaram a aprovação da lei pelo Senado. Obama, senador democrata por Illinois, afirmou emcomunicado que a lei é "urgentemente necessária" e representa"um começo importante para proteger os moradores e restaurar aestabilidade de nosso mercado imobiliário e economia". McCain, senador republicano pelo Arizona, "acredita que oalívio para os moradores endividados chega atrasado, masaplaude a aprovação da lei e pede que o presidente a assinerapidamente", disse seu porta-voz Taylor Griffin emcomunicado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.