Stefani Reynolds/EFE
Stefani Reynolds/EFE

Congresso dos EUA chega a acordo final para novo pacote fiscal de US$ 900 bilhões

Para combater efeitos da pandemia, país vai prorrogar ampliação do seguro-desemprego em US$ 300 e fazer pagamentos diretos à população de US$ 600

Dow Jones Newswires e AP, O Estado de S.Paulo

20 de dezembro de 2020 | 21h03

WASHINGTON –O líder da maioria republicana no Senado dos Estados Unidos, Mitch McConnell, afirmou há pouco que o Congresso americano chegou a um acordo final sobre um novo pacote fiscal de aproximadamente US$ 900 bilhões para auxiliar no combate aos efeitos econômicos da covid-19.

O pacote aprovado estabelece um suplemento temporário de US$ 300 por semana em benefícios de desemprego, US$ 600 em pagamentos diretos para grande parte da população, além de uma segunda rodada de subsídios para negócios afetados pela pandemia, financiamento para escolas, provedores de serviços de saúde e locatários em risco de despejo.

A expectativa era de que a Câmara votasse a legislação até esta segunda-feira, 21, para mandar o projeto ao Senado. Isso abriu espaço para o acordo realizado no fim da noite de sábado entre republicanos e democratas sobre os poderes de empréstimos emergenciais do Federal Reserve (Fed, o banco central americano).

As negociações aceleraram esta semana após líderes no Congresso concordarem em abandonar dois pontos: financiamento para governos estaduais e locais atingidos, que democratas e alguns republicanos buscavam, além de proteções para empresas e outras entidades que operam durante a pandemia, uma das principais prioridades do Partido Republicano.

Anúncio no Twitter

Antes do anúncio da aprovação, McConnell afirmou em uma publicação na sua conta do Twitter que o povo americano "não estará por contra própria na luta contra o coronavírus". "O Congresso acaba de chegar a um acordo. Vamos passar outro pacote de resgate o mais rápido possível. Mais ajuda está a caminho", escreveu ele.

A medida vem em meio a um aumento no número de casos do novo coronavírus e mortes, além de evidências de que a economia está fragilizada. O presidente Donald Trump apoia o projeto, principalmente a parte de mais pagamentos diretos. "Terminem o serviço", escreveu ele no Twitter no sábado à noite.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.