Congresso pode fazer modificações no PAC, diz Albuquerque

O vice-líder do governo na Câmara, deputado Beto Albuquerque (PSB-RS), afirmou que o Congresso poderá fazer algumas modificações no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), mas que o eixo principal do pacote deverá ser mantido. Algumas das medidas que serão oficialmente anunciadas nesta Segunda-feira precisam passar pelo Legislativo. Albuquerque disse que o PAC não deverá enfrentar muitos obstáculos no Congresso porque "é difícil imaginar que alguém seja contra o esforço de crescimento do País". O vice-líder afirmou que deverá votar logo no início dos trabalhos legislativos a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) para manter a Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF) e a Desvinculação de Receitas da União (DRU), que perderão a validade até o final do ano.Como se tratam de emendas constitucionais, essas duas propostas têm tramitação mais demorada porque, além de serem avaliadas em comissões especiais, elas precisam ser votadas em dois turnos pelos plenários da Câmara e do Senado. Beto Albuquerque chegou por volta das 9 horas ao Palácio Planalto para participar da solenidade de apresentação das medidas contidas no PAC.Medidas polêmicasPara o líder do PSB na Câmara, Renato Casagrande (ES), as medidas mais polêmicas do PAC podem demorar um pouco para serem aprovadas no Congresso Nacional. Algumas delas, principalmente na área ambiental, envolvem mudanças, que precisam passar pelo Legislativo.Casagrande disse nesta Segunda-feira não acreditar que o Congresso deixará de votar medidas que sejam importantes para o País. Ele associou as eventuais dificuldades, na votação dos projetos, à divisão da base aliada, provocada pela eleição à presidência da Câmara.O líder do PSB na Câmara também chegou por volta das 9 horas ao Palácio do Planalto para a reunião do Conselho Político, em que Lula apresentou o PAC.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.