Beto Lima/Divulgação/ESTADÃO
O sócio e co-fundador da Red Point Anderson Thees Beto Lima/Divulgação/ESTADÃO

Conheça os principais fundos que investem nas startups brasileiras

O total de negócios fechados no Brasil entre investidores e startups foi de 259 no ano passado, alta de 130% ante 2017

O Estado de S. Paulo, O Estado de S. Paulo

12 de maio de 2019 | 05h00

Com ex-executivos e ex-empreendedores no comando, fundos de capital de risco que investem em empresas fazem aportes em conjunto e diversificam aportes nas startups brasileiras. Conheça os principais deles:

Anderson Thees é um dos sócios da Redpoint eVentures, fundada em 2012 para gerir fundos de venture capital dedicados a investimentos na America Latina, em especial no Brasil. A empresa foi criada a partir da parceria com outras duas gestoras no Vale do Silício: Redpoint Venture e  eVentures. Hoje, a gestora tem 5 sócios, sendo 3 brasileiros (Além de Thees, Manoel Lemos e Romero Rodrigues, fundador do Buscapé).  Atualmente tem 31 investimentos em startups, como Gympass, Viajanet, Creditas e Resultados Digitais.

A gestora foi fundada pelo americano Clifford Sobel (ex-embaixador dos EUA no Brasil) e Scott Sobel. Quando deixou o cargo no Brasil, em 2010, o País estava no auge econômico. Inicialmente, a ideia era criar um fundo de private equity para explorar oportunidades no Brasil, mas viram no venture capital mais espaço para investir. O primeiro fundo foi captado com famílias ricas brasileiras em 2012 e investiu em 25 startups, sendo 17 no País. O segundo fundo está com 50% do volume investido em 13 empresas. Entre as empresas investidas estão Gympass e Stone (duas unicórnios), além de Boa Consulta, Stone e Descomplica.

A empresa foi criada em 2011 por Hernán Kazah (co-fundador do Mercado Livre) e Nicolas Szekasy (ex-diretor financeiro do Mercado Livre). Também tem como sócio Santiago Fossatti, que lidera o escritório em São Paulo. A empresa já investiu em 60 outras desde sua criação, sendo dois terços no Brasil. O fundo liderou a rodada do Nubank em 2013 e ainda é um dos acionistas da companhia, que no ano passado virou um unicórnio. Também tem no portfólio a Gympass, a Creditas e a Loggi, entre outras.

É um importante fundo do Vale do Silício e e tem como sócia a brasileira Bedy Yang. Desde que entrou no fundo, já investiu em 40 startups no País, como VivaReal, Conta Azul, Descomplica, Ingresse e IDWall. No mundo, o fundo já investiu em 2 mil empresas, sendo que 10 viraram unicórnios. A empresa captou 19 fundos de US$ 450 milhões.

Fundada em 2005 pelo executivo Eric Acher e Fabio Igel, herdeiro da família que controla o grupo Ultra, a monashees já investiu em 88 startups. Atualmente seu portfólio tem 60 empresas investidas na América Latina, sendo 42 no Brasil. A gestora descobriu o primeiro unicórnio brasileiro, a 99. Há outras candidatas ao posto de novas bilionárias, como Loggi, Neon e Grow (fusão das brasileiras Yellow e a mexicana Grin).

Tudo o que sabemos sobre:
startuptecnologiainvestimento

Encontrou algum erro? Entre em contato

Após investirem R$ 5 bi em 2018, fundos ampliam caça a startups no Brasil

Com muito dinheiro e pouco medo de errar, grupos de investimento intensificam atividade no País, apesar da crise

Renée Pereira, O Estado de S.Paulo

12 de maio de 2019 | 05h00

Por trás das startups mais valiosas do Brasil, há um grupo de investidores com muito dinheiro no bolso e pouco medo de errar. Reunidos em fundos de investimentos, eles são especializados em garimpar ideias que podem virar negócios bilionários, como Nubank, Movile, Stone, 99, PagSeguro e Gympass – empresas brasileiras que se tornaram unicórnios por ultrapassar a marca de US$ 1 bilhão em valor de mercado. Desde 2011, quando a onda do empreendedorismo digital começou a decolar no País, eles aportaram quase R$ 13 bilhões por aqui.

Só no ano passado, os fundos – chamados de venture capital – investiram US$ 1,3 bilhão (R$ 5,1 bilhões): volume 51% superior ao de 2017, segundo dados da Associação Latino-americana de Private Equity e Venture Capital (Lavca, na sigla em inglês). O montante representou 65% de todos os investimentos feitos na América Latina. Os números devem continuar em alta este ano. Em meados de março, a gigante japonesa Softbank anunciou o lançamento de um megafundo de US$ 5 bilhões (R$ 19,8 bilhões) para investir em startups na região. A expectativa é de que parte dos recursos seja alocada em empresas brasileiras.

Esse apetite faz parte de um movimento iniciado nos últimos anos por fundos como monashees, Kaszek, Redpoint eVenture, Valor Capital e 500 Startups. Na linha de frente desses fundos estão ex-executivos de grandes empresas, diplomatas e empreendedores que venderam seus negócios e são agora investidores. A lista inclui o fundador do Buscapé, Romero Rodrigues; os ex-Mercado Livre Hérnan Kazah e Nicolás Szekasy; o ex-embaixador dos Estados Unidos no Brasil Clifford Sobel; e o herdeiro da família que controla o grupo Ultra, Fabio Igel. Eles integram o time dos principais “caçadores” de unicórnios do País.

++As próximas candidatas a ‘unicórnio’

A lógica de investimento deles é diferente da aplicada por outros fundos de mercado. Com maior apetite ao risco, investem quantias entre R$ 100 mil e R$ 300 milhões em várias empresas ao mesmo tempo. Eles sabem que a maior parte delas vai ficar pelo meio do caminho, mas aquelas que “vingarem” vão compensar os fracassos. A venda da 99 para a chinesa Didi, por exemplo, rendeu a investidores retorno 60 vezes o montante aplicado. O valor do negócio foi de quase US$ 1 bilhão.

“Investir em startups é pensar no que pode dar certo. Quanto mais nova, mais você precisa focar no time e no sonho”, afirma Anderson Thees, sócio do fundo Redpoint eVentures – que investe em startups como Viajanet, Gympass e Resultados Digitais. Segundo ele, a estratégia é bem diferente de investir numa empresa madura, na qual o foco está no negócio em si, no histórico e em como ela foi construída. “É futuro versus passado.” 

++Maiores startups do País atraem capital e já valem R$ 89 bi

Também não é fácil encontrar uma ideia capaz de virar um unicórnio. A sócia do fundo americano 500 Startups, Bedy Yang, conta que todo ano avalia 5 mil empresas no mundo para investir. A taxa de aceitação é de apenas 1%. O fundo tem 2 mil companhias no portfólio, sendo 10 unicórnios. No Brasil, já investiu em 40 startups e ainda não saiu de nenhuma.

‘Sonho de consumo’

Num país onde o crédito é escasso e caro, esses investidores viraram a principal fonte de recursos para desenvolver negócios em estágio inicial. Mais que isso: são o “sonho de consumo” de quase todo empreendedor. Exemplo disso é o total de acordos fechados no ano passado. Pelos dados da Lavca, foram 259 negócios ante 113 em 2017 – avanço de quase 130%. 

“Mesmo com a crise econômica, a atividade desses fundos nunca foi tão intensa”, afirma o presidente da Associação Brasileira de Private Equity & Venture Capital, Piero Paolo Minardi. Para ele, esse movimento está engatinhando no Brasil. “Está tudo por fazer. Portanto, essa indústria tem potencial de dobrar de tamanho em pouco tempo.”

Para Paulo Veras, fundador da 99, a sociedade não tem noção de como esse mercado está quente. No passado, diz ele, o País tinha bons projetos, mas não tinha dinheiro para tirar do papel. Hoje, a situação é outra: “O mercado nunca teve tanto dinheiro para startup”.

De olho em startups brasileiras desde 2008, o sócio da Valor Capital, Michael Nicklas, diz que o mercado amadureceu muito no período. “Em 10 anos, tivemos um boom na banda larga e tudo ficou mais fácil, porque o Brasil ficou mais conectado.”

 

Tudo o que sabemos sobre:
startupinvestimentotecnologia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Recursos de fundos vêm de grandes fortunas internacionais

Com ex-executivos e ex-empreendedores no comando, grupos fazem aportes em conjunto e diversificam investimentos

Renée Pereira, O Estado de S. Paulo

12 de maio de 2019 | 05h00

Quase todo o dinheiro investido pelos fundos de venture capital nas startups brasileiras é captado no mercado internacional, com fundadores de empresas de tecnologia e outros fundos institucionais. Na monashees, uma das precursoras dessa indústria, sete fundos foram criados com recursos exclusivamente externos e apenas um deles tem um mix de investidor nacional e estrangeiro.

Nesse último, a gestora captou US$ 150 milhões (R$ 594 milhões) entre famílias brasileiras e empreendedores, como Mike Krieger – fundador do Instagram e um dos brasileiros mais influentes no Vale do Silício. Criada em 2005 antes da explosão das startups no Brasil, a monashees investiu no primeiro unicórnio verde-amarelo: a 99. Também tem participação na colombiana Rappi, que entrou para o rol das empresas bilionárias. 

O primeiro investimento da gestora, fundada por Eric Acher (executivo com passagens pela MacKinsey e pelo fundo americano General Atlantic) e Fabio Igel (herdeiro da família que controla o grupo Ultra), foi numa empresa de educação montada pelos próprios sócios, já que na época não havia opção de startup para investir. De lá para cá, a gestora já aportou recursos em 88 empresas na América Latina. Atualmente, tem 60 companhias no seu portfólio, sendo 42 no Brasil. Dessas, algumas são candidatas a assumir o posto de novos unicórnios, como a Grow (fusão da brasileira Yellow com a mexicana Grin), Loggi (startup de entregas), Neon (banco digital) e Viva Real (imobiliária).

Outro fundo bastante ativo no Brasil é o argentino Kaszek Ventures, formado pelos ex-executivos e fundadores do Mercado Livre. Criada em 2011, a gestora já captou três fundos nos Estados Unidos e na China, num total de US$ 430 milhões. Esses recursos foram investidos em 60 empresas, sendo dois terços no Brasil, afirma o sócio da Kaszek, Santiago Fossatti. Dessas, a gestora tem participação em dois unicórnios: o Nubank e a Gympass – marketplace de academias que acaba de entrar no grupo de empresas bilionárias.

Como é comum nesse mundo de empreendedorismo, essa startup também tem outros dois investidores de peso, a Valor Capital Group e a Redpoint eVentures. A Valor foi criada pelo ex-embaixador dos Estados Unidos no Brasil Clifford Sobel e já investiu em 30 startups no País. Além da Gympass, o fundo também fez aporte na Stone, unicórnio de “maquininhas” brasileiro.

O sócio da Valor Capital, Michael Nicklas, conta que a ideia inicial era investir em private equity no Brasil. “Mas vimos que tinha espaço para o venture capital e decidimos montar um fundo em 2012 para testar o mercado.” Ao contrário dos outros fundos, a captação foi feita com famílias brasileiras.

A Redpoint eVentures também foi fundada em 2012, a partir de uma parceria com duas gestoras do Vale do Silício: a Redpoint Ventures e a eVentures. “Os fundadores desses fundos começaram a vir ao Brasil em 2010, durante a fase do ‘Cristo Redentor decolando no Rio’, mas entenderam que precisavam de gente local para tocar os projetos dadas as complexidades do País”, afirma Anderson Thees, sócio do Redpoint eVentures junto com Romero Rodrigues. A gestora já investiu em 31 empresas. “Desde o início, o objetivo foi trazer boas práticas e experiências do Vale do Silício para cá.” 

Tudo o que sabemos sobre:
startupinvestimentotecnologia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Criatec 2, do BNDES, foi um dos mais ativos em 2018

Fundo do banco estatal investiu R$ 186 milhões em 36 empresas em estágio inicial; carteira tem como cotista outros bancos públicos regionais

Renée Pereira, O Estado de S. Paulo

12 de maio de 2019 | 05h00

Pelos dados da Associação Latino-americana de Private Equity e Venture Capital (Lavca, na sigla em inglês), o fundo Criatec 2, gerido pela Crescera (ex-Bozano Investimentos), foi um dos mais ativos no País em 2018. O produto foi criado em 2013 pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para investir em empresas em estágio inicial no Brasil.

Além do BNDES, o fundo tem como cotistas o Banco do Nordeste (BNB), o Banco de Desenvolvimento do Estado do Rio Grande do Sul (Badesul), Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG) e Banco de Brasília (BRB). No total, captou R$ 186 milhões – montante investido em 36 startups. O sócio da Crescera, responsável pela estratégia de Venture Capital, Fernando Silva, conta que o Criatec 2 foi a segunda versão de um fundo criado pelo BNDES para desenvolver o empreendedorismo no Brasil. No portfólio, estão empresas pouco conhecidas no mercado, como Bom Consórcio e Paggcerto. Segundo ele, o fundo terminou o período de investimento no ano passado.

Agora a Crescera quer criar seu próprio fundo de venture capital. Silva afirma que neste momento está estruturando o produto que deverá focar em empresas um pouco mais madura. “Queremos investir em rodadas de série B com valores entre R$ 20 milhões e R$ 30 milhões em cada empresa.” O executivo afirmou que há uma lacuna de investimentos nessa faixa de aportes.

Na avaliação da advogada Marina Procknor, do escritório Mattos Filho, Veiga Filho, Marrey Jr e Quiroga Advogados, a Medida Provisória 881, também chamada de “MP da Liberdade Econômica”, deverá impulsionar os investimentos dos fundos de venture capital no Brasil. “Esses fundos ainda tem participação pequena no País comparado ao que eles representam no resto do mundo.”

Ela explica que a MP tenta trazer agilidade para esse mercado e representa uma sinalização do Governo Federal aos agentes econômicos nacionais e estrangeiros sobre os incentivos para o exercício da atividade econômica no País, com o objetivo de aumentar a competitividade no cenário internacional.

Para Marina, a ideia é reduzir a burocracia e tirar o custo da operação. “Há um monte de entraves que dificulta empreender no Brasil. Agora estamos fazendo o que o resto do mundo faz.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.