Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Conseagri pede para adiar novo índice de produtividade

O ministro da Agricultura, Reinhold Stephanes, ganhou mais um apoio hoje para não assinar com o Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) a portaria interministerial sobre novos índices de produtividade nas propriedades rurais, utilizados para embasar a reforma agrária. Os 17 integrantes do Conselho Nacional de Secretários de Estado de Agricultura (Conseagri) que estiveram hoje em Goiânia para a eleição do novo presidente da instituição assinaram documento contra a atualização dos indicadores.

CÉLIA FROUFE, Agencia Estado

28 de agosto de 2009 | 18h14

"O índice de produtividade não deve ser quesito único para levar uma propriedade à desapropriação", disse à Agência Estado a nova presidente do Conseagri, secretária de Agricultura do Mato Grosso do Sul, Tereza Cristina Corrêa da Costa Dias. "Há outros indicadores que deveriam ser colocados", afirmou. O argumento é contra o cálculo de produção dividida pela área total da terra.

Os secretários avaliam que o momento é inoportuno para uma alteração, por causa dos efeitos da crise financeira internacional sobre o setor agrícola. Tereza Cristina lembrou que o preço dos grãos apresenta problema e que, apesar de o custo para a produção ter ficado menor nos últimos meses, ainda é elevado. "Precisamos mais tempo para discutir o tema e fazer isso de forma técnica", disse a presidente do Conselho.

O documento, de acordo com Cristina, será enviado aos ministros da Casa Civil, Dilma Rousseff, do MDA, Guilherme Cassel, e a Stephanes. Além dos secretários, Stephanes recebeu, esta semana, apoio dos produtores e da bancada do PMDB, que lhe recomendaram não assinar a portaria sobre os novos índices de produtividade. Há aproximadamente 10 dias, Cassel informou à imprensa que, em 15 dias, a portaria com os novos índices estaria pronta e assinada, a pedido do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.