Conseguir recursos é desafio da infra-estrutura, dizem empresários

Os empresários do setor de infra-estrutura acreditam que o grande desafio, no momento em que o País está crescendo, é como financiar os investimentos necessários em energia, transportes, logística e saneamento. O empresário Paulo Godoy, do Conselho de Infra-Estrutura (Coinfra) da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), disse hoje que a fonte básica de investimentos tem sido o BNDES, até então suficiente, já que nos últimos anos houve uma forte retração de investimentos."Agora, com a expectativa de retomada dos projetos de infra-estrutura, precisamos de novas fontes. O temor é que o BNDES não consiga atender ao aumento da demanda por recursos", disse Godoy, que também preside a Associação Brasileira de Infra-Estrutura e da Indústria de Base (Abdib). O tema dominou a reunião de hoje do Coinfra.A Fiesp em conjunto com outras entidades empresariais está em contato com a Abrapp (Previdência Privada) e a Anbid (Associação Nacional dos Bancos de Investimentos) em busca de alternativas para o financiamento de projetos de infra-estrutura. A Abdib estima que o Brasil necessite de US$ 20 bilhões ao ano em recursos para o setor.Para a atração de investimentos, o Coinfra defende, por exemplo, uma melhoria no ambiente institucional do País. Segundo Godoy, é preciso criar um clima de confiança e, principalmente, "uma mentalidade propícia aos negócios." Ele criticou, por exemplo, a discussão no Congresso para acabar com as tarifas de assinatura da telefonia fixa. "De forma geral, as regras dos contratos de concessão não podem ser ignoradas", afirmou. "Os avanços e os retrocessos deixam o investidor inseguro", completou.Godoy também citou como exemplo de insegurança a eventual instalação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para apurar se houve irregularidades nas privatizações das empresas elétricas, proposta que seguiu a polêmica declaração do presidente Luiz Inácio Lula da Silva no mês passado, levantando a questão. "Trata-se de um retrocesso institucional porque ela é motivada por interesses políticos", afirmou, sem esclarecer quais seriam esses interesses.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.