Agência Petrobrás
Agência Petrobrás

Conselho da Petrobrás aprova venda de 49% da Gaspetro

Japonesa Mitsui, já é sócia em 8 companhias estaduais de distribuição de gás natural no Brasil, vai desembolsar R$ 1,9 bilhão

Fernanda Nunes e Mônica Ciarelli, O Estado de S. Paulo

23 de outubro de 2015 | 21h29

Atualizado às 23:40

RIO - Após mais de dez horas de reunião, o Conselho de Administração da Petrobrás decidiu acatar a decisão da diretoria de vender 49% da Gaspetro, subsidiária que tem participações minoritárias em 19 distribuidoras de gás natural canalizado no País. Pelo ativo, a japonesa Mitsui vai pagar R$ 1,9 bilhão, mais do que o dobro do que a Petrobrás planejava receber com a venda de ativos neste ano (R$ 700 milhões). A petroleira vai enfrentar a resistência, porém, dos Estados que são sócios nas distribuidoras.

A venda faz parte do plano de venda de ativos, criado para ajudar a Petrobrás a superar a crise financeira de curto prazo. O plano de desinvestimentos pretende levantar US$ 15,1 bilhões até 2016. 

A Mitsui já está presente em oito das 19 distribuidoras nas quais adquiriu participação ao comprar 49% da Gaspetro. Com isso, ganhou poder na tomada de decisão em relação aos demais sócios, o que provoca temor nos governos estaduais. A Petrobrás não informa como vai solucionar o impasse, apenas esclarece, em comunicado oficial, que a "conclusão da transação está sujeita à aprovação pelos órgãos competentes".

Império da Mitsui. Atualmente, a empresa japonesa é a principal negociante de petróleo e minério de ferro no mundo. Sua área de atuação vai desde a operação de gás natural na Rússia e de carvão em Moçambique até a prestação de serviços de consultoria e de financiamento de projetos no mundo todo.

No Brasil, a Mitsui participa do bloco de controle da mineradora Vale e possui escritórios em quatro Estados. 

Para conseguir repassar parte do negócio de distribuição de gás natural para a Mitsui, a Petrobrás teve que reestruturar a Gaspetro e criar uma nova subsidiária - a Petrobrás Logística de Gás. 

Originalmente, além levar o combustível a residências em quase todo o País (está na fronteira com a Bolívia, em Mato Grosso do Sul, no Nordeste do País e também no Rio Grande do Sul), a Gaspetro opera um rede de gasodutos de mais de 7 mil quilômetros. Essa rede é utilizada também pelo segmento de telecomunicações. 

Cisão da Gaspetro. O Conselho de Administração da Petrobrás aprovou a cisão da Gaspetro em duas companhias. Uma ficará com os ativos de distribuição de gás canalizado, parte que será vendida à japonesa.

A outra empresa, batizada de Petrobrás Logística e controlará a Transportadora Associada de Gás (TAG) será dona da malha brasileira de gasodutos. 

IPO da BR Distribuidora. Na reunião, o conselho também decidiu suspender por tempo indeterminado o processo de registro de companhia aberta e de registro de oferta pública de ações da BR Distribuidora por causa das "condições adversas do mercado de capitais".

Os processos haviam sido autorizados pelo conselho de administração em agosto.

A Petrobrás busca agora um sócio para a BR. Durante o encontro, uma lista de interessados nacionais e estrangeiros na subsidiária foi apresentada ao conselho. Mas, a expectativa é que o negócio só seja concretizado no próximo ano.

Tudo o que sabemos sobre:
PetrobrásGaspetro

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.