Hélvio Romero|Estadão
Hélvio Romero|Estadão

Conselho da Renova decide venda de parque eólico para AES

Segundo fontes, conselho da Cemig, principal sócio da empresa, teria aprovado a venda

Renée Pereira, O Estado de S.Paulo

12 de janeiro de 2017 | 05h00

A Renova Energia convocou para esta quinta-feira, 12, uma reunião de seu conselho de administração para aprovar a venda do parque eólico Alto Sertão II para a americana AES, que administra a distribuidora paulista Eletropaulo. Segundo uma fonte próxima à negociação, o conselho da estatal Cemig – principal acionista da empresa de energia renovável – aprovou ontem a venda do complexo eólico para grupo americano.

O parque eólico, localizado na Bahia, tem 386 megawatts (MW) de potência e envolve cifras perto de R$ 700 milhões. O dinheiro será usado para reduzir a alavancagem da empresa, cuja dívida soma R$ 1,6 bilhão, e para concluir a obra do parque Alto Sertão III, também na Bahia. Segundo fontes, o negócio chegou a ser disputado por outros três investidores estrangeiros, mas deve ficar mesmo é com a AES, se o conselho aprovar hoje a proposta.

Em crise desde o ano passado por causa de uma parceria frustrada com a americana SunEdison, que entrou em recuperação judicial em abril, a Renova Energia vinha fazendo inúmeras mudanças na empresa para conseguir honrar os compromissos firmados. Mas, nem com todos os cortes de despesas e aportes feitos pelos acionistas, a situação financeira melhorou.

Desde o início da crise, a Renova vinha buscando um sócio estratégico para dar fôlego novo à empresa. Se confirmada a venda para a AES, esse plano será afastado por tempo indeterminado, disse ontem à Reuters uma fonte com conhecimento direto do assunto. Procurada, a Renova disse que não iria comentar o assunto. A AES Brasil não comentou imediatamente. A Cemig não respondeu imediatamente pedidos de comentário. /COM REUTERS

Tudo o que sabemos sobre:
AESEletropauloCemigBahiaBrasil

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.