finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Conselho da UE defende ação econômica no curto prazo

Rascunho de texto do encontro pede aos países do G-20 que tenham um plano de ação 'ambicioso' para responder aos desafios da desaceleração econômica

Clarissa Mangueira, da Agência Estado,

23 de outubro de 2011 | 11h01

Uma ação determinada é necessária para fortalecer a economia europeia no curto prazo, mesmo que os Estados membros continuem a buscar planos de consolidação orçamentária, dirá o Conselho Europeu após sua reunião neste domingo, de acordo com um rascunho do texto das conclusões.

O rascunho, com data de hoje, também promete que os Estados membros da União Europeia finalizarão o plano de recapitalização bancária até quarta-feira e pede a todos os membros do Grupo dos 20 que desempenhem seu papel em um plano de ação "ambicioso" para responder aos "sérios desafios que emanam da atual desaceleração econômica".

Sobre a política econômica, o rascunho das conclusões do Conselho Europeu afirma que "além de enfrentar os desafios imediatos impostos pela crise financeira, é essencial a intensificação dos esforços para garantir o crescimento sustentável e a criação de emprego" na Europa.

"Na maior parte dos países a consolidação orçamentária e a redução da dívida são de importância crucial... Ao mesmo tempo, uma ação determinada é necessária para fortalecer a economia já no curto prazo", destaca o rascunho.

Para alcançar este objetivo, os Estados membros comprometeram-se a avançar com a conclusão de mercado único europeu de serviços até o fim do ano e implementar as recomendações da Comissão Europeia e do Conselho Europeu em suas políticas de reformas orçamentárias e estruturais.

O Conselho Europeia, que reúne 23 países membros da União Europeia, afirmará, segundo o rascunho, que a Comissão Europeia deverá fechar um acordo até o fim do ano com o corte das contribuições que os Estados membros precisam fazer junto com investimento da União Europeia. Os países membros convidaram o Banco de Investimento Europeu a "examinar em estreita cooperação" com a Comissão Europeia as possibilidades de continuar a contribuir para os gastos com investimentos na Europa.

O Conselho Europeu também promete aprofundar o trabalho para coordenar uma governança econômica e pede, antes da cúpula do G-20 em Cannes, "uma ação determinada" para "manter a estabilidade financeira" e restaurar a confiança econômica.

De acordo com o rascunho, o Conselho Europeu também defende reformas adicionais do sistema monetário internacional, por meio da intensificação da vigilância das políticas e ferramentas de gerenciamento da crise, e medidas para combater "a excessiva volatilidade dos preços das commodities."

O Conselho Europeu pede ainda no texto que o G-20 aplique uma "execução oportuna e consistente" das regras financeiras de Basileia 3 e uma reforma do mercado de balcão de derivativos. O Conselho Europeu exortou o G-20 a explorar a introdução de um imposto sobre transações globais, segundo o rascunho.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.