Andre Dusek|Estadão
Andre Dusek|Estadão

Conselho de administração da BRF indicará Pedro Parente como presidente

Executivo, que deixou a Petrobrás há menos de duas semanas, deverá assumir a gigante dos alimentos em um momento de crise

Monica Scaramuzzo, O Estado de S. Paulo

13 Junho 2018 | 18h12

O presidente do conselho de administração da BRF, Pedro Parente, ex-Petrobrás, vai ser indicado nesta quinta-feira, 13, para assumir o comando da companhia, apurou o Estado com pessoas a par do assunto. Uma reunião extraordinária do colegiado foi convocada para o meio-dia para discutir o tema.

+ Em crise, BRF fecha linha de produção de perus em Mineiros, Goiás

Eleito dia 26 de abril presidente do conselho, em substituição ao empresário Abilio Diniz, Parente vinha se mostrando reticente em assumir a função de principal executivo da BRF, mas não rechaçava a ideia quando questionado diretamente sobre o assunto.

O presidente do fundo de pensão da Petrobrás (Petros), Walter Mendes, ficou encarregado de conversar com Parente para medir sua disposição em aceitar a tarefa, segundo fonte familiarizada com as tratativas. A Petros não quis comentar. 

Com 11,4% da BRF, a Petros é a maior acionista individual da empresa. É seguida pelo fundo de pensão dos funcionários do Banco do Brasil (Previ), que tem 10,7% da companhia de alimentos. Os dois fundos lideraram o processo de destituição do conselho de administração, presidido por Abilio Diniz, por discordarem sobre os rumos da maior exportadora de aves, que registrou prejuízo por dois anos consecutivos.

Os fundos veem com bons olhos a chegada de Parente ao comando do negócio. Mas, oficialmente, têm insistido que cabe ao conselho de administração avaliar a conveniência de conduzi-lo ao cargo.

Na reunião convocada para esta quinta-feira, 14, a expectativa é que Parente assuma a presidência da companhia e promova a reestruturação do negócio. Se aceitar o cargo, os conselheiros vão discutir se Parente acumulará a função de presidente do colegiado. Na prática, ele poderia ficar com as duas funções, segundo pessoas a par do assunto. Procurada, a BRF não comenta o assunto.

Comissão de ética. Antes de assumir o cargo executivo, Parente também terá de anunciar sua decisão ao Conselho de Ética Pública, ligado ao Planalto, uma vez que ele ocupava um cargo público relevante e agora poderá assumir o comando de uma empresa privada. O executivo renunciou ao cargo de presidente da Petrobrás em 1.º de junho. A Coluna do Broad antecipou em maio que ele poderia assumir o comando da BRF.

Desde abril, a companhia está nas mãos de Lorival Luz Jr., que assumiu interinamente a gestão após a renúncia de José Aurélio Drummond Jr., após quatro meses no cargo. Desde então, Luz e Parente conversam todos os dias por telefone.

Apoio. Um acionista da BRF afirmou ao Estado que a entrada de Pedro Parente é a “escolha óbvia” para a empresa neste momento, ainda mais após o executivo deixar o comando da Petrobrás. Segundo ele, a companhia passa por um momento difícil e precisa de uma liderança forte para atravessar esse momento de crise.

Na terça-feira, os fundos de pensão voltaram a manifestar apoio ao executivo na companhia. “Nosso papel era eleger um conselho. Está na mão desse conselho a escolha do CEO. Se esse conselho entender que Pedro Parente é a pessoa, será muito bem-vindo”, afirmou Gueitiro Genso, presidente da Previ, ao Estado.

No vermelho. Os últimos dois anos foram de prejuízo para a BRF. No ano passado, a empresa teve perdas de R$ 1,1 bilhão, quase o triplo da perda registrada em 2016, de R$ 387 milhões. Além de ter enfrentado a Operação Carne Fraca, em 2017, a empresa também sofreu com a ascendência da Seara, da concorrente JBS, no terreno de suas marcas Sadia e Perdigão.

Na semana passada, a China anunciou barreiras tarifárias, de até 38% do valor das vendas, ao frango brasileiro. Na terça-feira, a empresa anunciou o fechamento da produção de peru na sua fábrica de Goiás. 

As ações da companhias vêm derretendo nos últimos meses. Em 2018, as perdas são de 43,7%. Nesta quarta-feira, o papel da BRF caiu 3,3%, cotado a R$ 20,20. 

Mais conteúdo sobre:
Petrobrás BRF Pedro Parente frango

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.