Conselho de Desenvolvimento Econômico critica juro bancário

O senador Eduardo Suplicy (PT-SP) disse hoje que os participantes da reunião do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social, que estão reunidos no Palácio do Planalto, defendem um amplo diálogo com o setor financeiro para reduzir o custo dos financiamentos.Segundo o senador, todos os palestrantes criticaram o elevado spread bancário ? diferença entre taxas de captação e os juros cobrados nos empréstimos. O ministro-chefe da Casa Civil, José Dirceu, também teria apontado o custo do dinheiro como um empecilho ao investimento.De acordo com Suplicy, que participa da reunião, o empresário Eugênio Staub, da Gradiente, criticou o fato de a taxa de risco Brasil ? taxa que mede a desconfiança do investidor estrangeiro em relação à capacidade de pagamento da dívida do País ? ser muito mais elevada do que a de outros países com economia semelhante. Staub também teria ressaltado que o spread no Brasil também é mais elevado do que em outros países.Política econômicaAinda segundo Suplicy, o presidente da CUT, Luiz Marinho, teria afirmado que para se conter a inflação não se deve ter em perspectiva apenas a contenção da demanda com a elevação da taxa de juros (regra geral, juros altos inibem o consumo e contribuem para a queda dos preços). Seria necessário também aumentar a oferta de bens e serviços. Na avaliação de Suplicy, todas as críticas ao custo de financiamento não foram dirigidas à política econômica do ministro da Fazenda, Antonio Palocci, que não participou da reunião. A reunião do Conselho continua e está fechada à imprensa. Ela continuará à tarde com a participação de representantes de órgãos da União Européia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.