Conselhos de Bovespa e BM&F aprovam integração das bolsas

Integração é aprovada e deve ser anunciada aos acionistas na quarta-feira, criando a Nova Bolsa

Leandro Modé, de O Estado de S. Paulo,

25 de março de 2008 | 22h08

A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) e a Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F) devem anunciar na quarta-feira, 26, a fusão de suas operações. O projeto de integração foi aprovada pelos conselhos das Bovespa Holding e da Bolsa de Mercadorias & Futuros nesta terça-feira, 25. A empresa resultante do negócio será provisoriamente chamada de Nova Bolsa.   A reorganização societária já foi definida. Os acionistas tanto da Bovespa quanto da BM&F receberão uma ação da Nova Bolsa para cada papel que detêm das companhias hoje. Por exemplo: quem possui 100 ações da BM&F terá 100 papéis da Nova Bolsa.   O mesmo vale para os acionistas da Bovespa, com uma diferença. Como o valor de mercado atual da Bovespa supera o da BM&F, os acionistas da bolsa paulista receberão um adicional, em dinheiro, de R$ 1,24 bilhão. O valor será rateado conforme a quantidade de ações possuídas pelos investidores.   Segundo fato relevante divulgado pelas duas empresas, o conselho de administração da Nova Bolsa será composto paritariamente por integrantes indicados pela Bovespa e pela BM&F. Também será formado um Comitê de Transição, que contará, entre outros, com os presidentes e diretores gerais das duas instituições. Esse organismo funcionará até 31 de dezembro deste ano.   A duas bolsas estimam que a integração de suas atividades resultará em uma economia de até 25% nas despesas operacionais conjuntas até 2010.   A partir da fusão, equipes da Bovespa farão a chamada due diligence na BM&F e vice-versa. Esse processo envolve a análise detalhada de documentos e informações das empresas. Normalmente, é executado quando está em andamento uma fusão ou aquisição.   Histórico da fusão   A Bovespa e a BM&F anunciaram ao mercado, no dia 19 de fevereiro, que estavam negociando uma integração. As bolsas informaram, naquele momento, que haviam estabelecido um prazo de até 60 dias para finalizar a transação (com sucesso ou não).   Levando-se em conta o valor de mercado somado das duas bolsas brasileiras em fevereiro (cerca de US$ 20 bilhões), a instituição resultante seria a segunda maior das Américas, atrás apenas da Bolsa de Chicago e à frente até mesmo da Bolsa de Nova York.   As ações da Bovespa estrearam em pregão no dia 26 de outubro do ano passado, com expressiva alta. O papel disparou 52%, para R$ 34,99. O sucesso da bolsa paulista criou grande expectativa para a abertura de capital da BM&F, que ocorreu em 30 de novembro. A alta das ações, porém, foi mais modesta: 22%, para R$ 24,42. Nesta terça, os papéis da BM&F fecharam em R$ 16,68 e os da Bovespa, em R$ 25.   Texto alterado às 23h15 para acréscimo de informações.

Tudo o que sabemos sobre:
MercadosBolsas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.