Consertos domésticos: custo fica estável

Os preços dos consertos domésticos em São Paulo no mês de outubro ficaram praticamente estabilizados, com reajuste de apenas 0,08% em relação a agosto, conforme pesquisa do InformEstado realizada a cada dois meses, em todas as regiões da cidade.Em agosto, os preços dos reparos domésticos tiveram queda de 0,05%. De janeiro a outubro, a alta acumulada é de 3,71%. No ano, a maior alta deste segmento foi em abril, com reajuste de 5,56%. Nos meses seguintes, os preços apresentaram queda. No acumulado desde o início do Real, os consertos domésticos registram variação de 294,62%.ServiçosOs serviços de encanador no mês de outubro subiram 0,71% e os de pintor, 0,23%. Registraram queda os serviços de pedreiro, de 1,03%, e o de eletricista, de 0,39%. O custo médio para pintar um apartamento de dois dormitórios, sala, cozinha e banheiro, por exemplo, foi de R$ 827,81.O custo do metro quadrado para a troca de piso, no mesmo período, ficou em média em R$ 17,54. Entre os serviços prestados por encanadores, o maior preço médio foi da localização e conserto de vazamento não visível. Ele custa em torno de R$ 166,20.Diferenças de preçoQuem precisar efetuar reparos na residência, mesmo com os preços praticamente estabilizados, precisa pesquisar bem, em vários locais, as tabelas apresentadas pelos profissionais contratados. As diferenças de um bairro para outro podem ser significativas.O conserto do vazamento de uma torneira, por exemplo, pode variar de R$ 5,00 a R$ 50,00, a troca de um sifão de R$ 20,00 a R$ 70,00 e a mudança de azulejos de R$ 8,00 a R$ 35,00, dependendo da região da cidade e do estabelecimento escolhido.

Agencia Estado,

23 de outubro de 2000 | 20h31

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.