REUTERS
REUTERS
Imagem José Roberto Mendonça de Barros
Colunista
José Roberto Mendonça de Barros
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Consolida-se a piora do cenário econômico

A visão pessimista se agravou muito nas últimas duas semanas

José Roberto Mendonça de Barros*, O Estado de S.Paulo

05 de setembro de 2021 | 05h00

Em meu último artigo neste espaço (Fogo no parquinho, 20/08) escrevi “...que o mercado virou e o pessimismo agora impera em marcante contraste com o entusiasmo demonstrado entre janeiro e maio”. 

Naquele instante, não imaginava que essas observações seriam completamente validadas nestas curtas duas semanas. 

Em primeiro lugar, uma sucessão de impasses fez com que o Executivo enviasse ao Congresso uma proposta de Orçamento para 2022 completamente fantasiosa. Ela supõe que os R$ 90 bilhões de precatórios seriam pagos integralmente, sem nenhuma previsão para o novo Bolsa Família e com parâmetros básicos totalmente irrealistas. O PIB é projetado crescer 2,51%, e a inflação prevista é de 3,5%. De lá para cá, pouca coisa andou com relação à solução para o caso dos precatórios. E também não sabemos qual será a reforma do Imposto de Renda que, finalmente, será aprovada pelo Congresso. Aqui não existe solução boa. 

Em segundo lugar, o governo finalmente se rendeu à questão hídrica e anunciou a criação de uma nova bandeira tarifária (que poderia ser batizada de roxinha). Ela elevará substancialmente as contas de energia, pois o adicional passou de R$ 9,492 a cada 100 kWh consumidos para R$ 14,20, uma alta de quase 50%, de 1.º de setembro até o final de abril do próximo ano. Ao contrário do que pensa o ministro da Economia, esse adicional vai pesar muito no orçamento de grande parte das famílias brasileiras.

Como a chuva é prevista continuar abaixo da média até dezembro, o risco de apagões se mantém bastante elevado. Dependendo do que ocorrer no verão, poderemos continuar a ter uma situação difícil no setor de energia em 2022. 

Como consequência do maior custo da luz, assistimos a uma generalizada revisão para cima nas projeções de inflação para o ano corrente, que agora estão na faixa de 7,8%/8,2%. É indispensável lembrar que, atualmente, mais de 70% dos grupos de preços têm sofrido elevações, ou seja, o fenômeno se espalhou de forma muito perigosa. Para 2022, as projeções estão se consolidando num patamar acima de 4%, significativamente maior do que a meta oficial de 3,5%. 

Naturalmente, as expectativas de elevação da taxa Selic também subiram, o que irá consolidar uma robusta alta do custo do crédito para pessoas e empresas. 

Finalmente, tivemos nesta semana a divulgação dos resultados do PIB do segundo trimestre e, como tem sido recorrente, uma nova decepção. A queda de 0,1% em relação ao primeiro trimestre não era esperada. Isto decorreu, do lado da oferta, por quedas na agropecuária (-2,8%) e na indústria de transformação (2,2%). Os serviços subiram 0,7%. Do lado da demanda, o consumo estável decepcionou, e houve queda do investimento. As exportações continuaram brilhando. 

A queda na produção industrial em julho, divulgada um dia depois, apenas confirmou que caminhamos mesmo para uma desaceleração da atividade. Uma onda de revisões passou a ocorrer, e as previsões do PIB para este ano foram sendo reduzidas na direção de 5% e as do ano que vem, em torno de 1,5%. Mantemos nossa projeção de 4,7%, para 2021, e de 1,4% em 2022

Voltaremos mesmo à mediocridade dos últimos anos.

* * * * *

A questão da água é cada vez mais um problema extremamente sério. Mencionamos aqui pelo menos quatro questões. Em primeiro lugar, a gestão do uso múltiplo da água, dos rios e dos reservatórios, especialmente nos crescentes conflitos entre a gestão da oferta da energia, o consumo humano e usos econômicos. 

No caso atual, esses conflitos estão evidentes nas decisões concernentes à vazão dos rios São Francisco e naqueles que formam a Bacia do Paraná. Mais ainda, como tem sido apontado pelos técnicos, há mais de 20 anos uma revisão realista da verdadeira capacidade de geração de energia hidrelétrica tem de ser feita. 

Isso nos remete à observação que, simultaneamente, muitos rios brasileiros estão definhando, como é o caso do próprio São Francisco. Um esforço muito maior na preservação de mananciais e matas ciliares é urgente e indispensável. 

Em terceiro lugar, é preciso enfrentar o entrelaçamento entre as queimadas da Amazônia e seu impacto no volume de umidade que desce do Norte nos chamados “rios voadores”, como demonstra Carlos Nobre. 

E, finalmente, temos de avançar ainda mais na estratégia de redução da utilização de água em todos os processos produtivos. 

*ECONOMISTA E SÓCIO DA MB ASSOCIADOS. ESCREVE QUINZENALMENTE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.