Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Consórcio de bancos melhora oferta pelo ABN Amro

A batalha pela compra do ABNAmro esquentou nesta segunda-feira com o consórcio lideradopelo Royal Bank of Scotland aumentando a parte em dinheiro desua oferta de 71,1 bilhões de euros (98 bilhões de dólares)pelo banco holandês, acima da oferta feita pelo Barclays . O consórcio manteve a oferta de 38,4 euros por ação, maselevou a parte em dinheiro para 93 por cento, ante 79 por centona anterior. Os 5 bilhões de euros restantes englobarão novasações do RBS. A nova oferta do consórcio --formado ainda pelo Santander epelo Fortis, é para a compra do ABN sem a unidadenorte-americana LaSalle. A proposta de aumentar a parte em dinheiro da oferta veiodepois de uma decisão judicial anunciada na sexta-feira quepermitiu ao ABN vender o LaSalle, sua subsidiária nos EUA, parao Bank of America por 21 bilhões de dólares. A proposta inicial do RBS incluía a compra do LaSalle. ORBS cortou os economia de custos e benefícios que prevê com oacordo, já que, com a exclusão do LaSalle, terá menosoportunidades de aumentar suas receitas no crescente mercadonorte-americano. O presidente-executivo do RBS, Fred Goodwin, disse que oconsórcio não pensou em desistir da oferta, apesar da perda doLaSalle. "Era atrativo comprar esse negócio na semana passada e éatrativo comprar nesta semana e essas são as bases que nosfazem seguir em frente. Nós nunca pensamos em sair da disputa",disse Goodwin em uma conferência pelo telefone. Segundo analistas, agora o Barclays pode responder tambémacrescentando mais dinheiro a sua oferta. "O Barclays não vaisair da disputa facilmente, mas é difícil saber o que elespodem fazer nessas bases", disse um analista que não quis seidentificar. "Nós temos clareza que só seguiremos com essa transação nostermos que produzam os resultados certos para nossosacionistas", disse o presidente-executivo do Barclays, JohnVarley. Mesmo se o negócio fosse fechado com a oferta do Barclays,que é de 65 bilhões de euros, esta será a maior compra debancos registrada na história. Os interessados têm até o dia 23 de julho para apresentarsuas ofertas formais ao ABN. (Reportagem de Steve Slater)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.