Consórcio de veículos e motos cresce 20,7%

O consórcio de motos e veículos cresceu 20,7% entre janeiro e novembro do ano passado, passando para 1,12 milhão cotas em 2001, ante 924 mil durante os mesmos meses do ano anterior, de acordo com dados da Associação Brasileira das Administradoras de Consórcios. O crescimento, segundo a associação, continua sendo puxado pelos consórcios de motocicletas, produto líder de todo o sistema - que envolve também imóveis e eletroeletrônicos - com 703,8 mil cotas, um aumento de 27,6% em relação a 2000 (552,9 mil).Entre janeiro e novembro do ano passado os automóveis também ampliaram o número de cotas em 9,9%, subindo para 319,9 mil, ante 291,1 mil nos mesmos meses do ano passado. Segundo o Banco Central, em novembro passado o setor de veículos contava com 2,47 milhões de participantes de consórcios em todo o País, um aumento de 1,2% em relação ao mesmo mês de 2000 (2,41 milhões).Desvantagens do consórcioNo consórcio, as pessoas pagam uma prestação mensalmente e apenas alguns são contemplados a cada mês, seja por sorteio ou lance. Ao final dos pagamentos, o grupo todo terá recebido o prêmio. A maior desvantagem é que se paga uma taxa de administração, algumas vezes equivalente aos juros de um financiamento.É bom lembrar que, caso a pessoa não seja contemplada logo no início, o investimento é ruim, pois ela paga a taxa de administração e só recebe o bem ao final. Nesse caso, como o cotista deverá pagar até o final para receber o produto da compra, o melhor seria ir poupando para comprar à vista, com direito a rendimento na fase da poupança e desconto na hora da compra. Ou então, entrar em um financiamento, em que o bem é concedido no ato e em troca paga-se uma taxa de juros.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.