Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Consórcio está preocupado que oferta por ABN perc atratividade

O consórcio que tenta comprar o ABNAmro está preocupado que órgãos reguladores imponham condiçõesonerosas à sua oferta de aquisição do banco holandês, tirando aatratividade do acordo proposto, disse uma fonte próxima dogrupo nesta sexta-feira. O Royal Bank of Scotland, junto ao espanhol Santander e aobelga-holandês Fortis, tenta comprar o ABN por 71 bilhões deeuros (96,33 bilhões de dólares), enquanto o britânico Barclaysofereceu 61 bilhões para se fundir com o maior banco daHolanda. "Eu me preocupo que reguladores holandeses possam importais condições para tornar (a oferta) não-atrativa", disse afonte. "Isso tornou-se muito político de novo." Os membros do consórcio querem dividir as operações globaisdo ABN entre eles, enquanto o Barclays --que tem o apoio daadministração do ABN-- almeja realizar uma fusão com o banco emudar a sede combinada da instituição para Amsterdã. Em 13 de agosto, o Barclays obteve aprovação de órgãosreguladores para comprar o ABN, e o consórcio espera saber adecisão de autoridades em meados de setembro. O ministério holandês das Finanças é responsável pordeclarar se possui quaisquer objeções à aquisição do ABN e éaconselhado pelo banco central do país, responsável pelaregulamentação do setor bancário. Neste mês, o Fortis negou preocupações de que fortes quedasno preço das ações bancárias e a turbulência nos mercados decrédito tornariam difícil para a instituição financiar suaparte do acordo de compra do ABN. O consórcio disse em 15 de agosto que havia aumentado suaparticipação no banco holandês de 3,25 por cento para 4,1 porcento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.